Edição 305Junho 2020
Quinta, 09 De Julho De 2020
Editorias

Publicado na Edição 301 Fevereiro 2020

Reprodução

Sonho concreto

Beschizza: “Opções de financiamento também se apresentam em formatações variadas, tendo como principal respaldo os juros baixos e oferta de crédito no mercado”

Sonho concreto

Ricardo Beschizza (*)

O sonho da casa própria é acalentado por milhões e milhões de brasileiros. O déficit habitacional que, infelizmente, só cresce, mostra o tamanho da missão que o setor da construção civil tem condições de abraçar, colaborando com a retomada do desenvolvimento, abrindo postos de trabalho e fazendo a economia girar.

Estamos vivendo um novo momento e aprendendo a conviver com uma taxa de juros baixa como há muitos anos não se via. Temos confiança que o desenvolvimento está sendo retomado de forma linear e não em “voo de galinha”.

Ressaltamos que no campo político, institucional e de reformas, ainda falta muito! As mudanças que já ocorreram começam a surtir algum efeito; entretanto, não podemos parar por aqui.

No setor da construção, os índices de otimismo entre os empresários, medidos mensalmente, só crescem. Novos empreendimentos são lançados e novos produtos, com intenção de atingir públicos específicos, estão surgindo conforme a necessidade do mercado imobiliário.

Opções de financiamento também se apresentam em formatações variadas, tendo como principal respaldo os juros baixos e oferta de crédito no mercado.

E é sobre esses pontos – taxa de juros e oferta de crédito – que gostaríamos de fazer algumas considerações.

Recentemente, as instituições bancárias, tendo na vanguarda a Caixa Econômica Federal, passaram a oferecer crédito imobiliário atrelado à inflação, fazendo com que o custo do financiamento para o tomador do empréstimo ficasse mais barato, acirrando ainda mais a disputa por um Brasil inteiro em busca de uma casa para chamar de sua.

Sabemos que essa “batalha” pelo consumidor final ainda terá novos capítulos, com a oferta de novas opções de financiamento, inclusive com taxas e parcelas pré-fixadas.

Os programas de incentivo à construção de moradias para a baixa renda, leia-se Minha Casa Minha Vida, dão sinais de que vão passar por reformulação em breve, devendo atender a população mais necessitada.

Acreditamos que com a economia mantendo-se estável, a indústria da construção conseguirá produzir as unidades necessárias para suprir o déficit habitacional.

Outro ponto que vale uma grande reflexão, dentro do próprio setor da indústria imobiliária, refere-se ao produto. O que construir? Onde construir? Quem vai comprar e com que tipo de recursos? Um grande exercício de futurologia; afinal, desde a compra do terreno até a entrega das chaves, são, em média, 4 a 5 anos.

Conforme sempre argumentamos, a renovação urbana traz uma série de benefícios que muitos não levam em consideração. Onde anteriormente existia uma casa ou um terreno, ao ser erguida uma nova edificação, onde recolhia-se em IPTU de apenas uma moradia, passa-se a arrecadar o referido tributo multiplicado pelo número de novas moradias que vão ocupar aquele terreno, trazendo recursos para o município que fará investimentos em educação, segurança, saúde etc.

A construção civil – seja erguendo moradias, nas obras de infraestrutura, comércio ou indústria – é, sem dúvida, uma das principais locomotivas que temos à disposição para fazer com que nosso país volte aos trilhos do pleno emprego e do desenvolvimento.

(*) Ricardo Beschizza é engenheiro civil, presidente da Associação dos Empresários da Construção Civil da Baixada Santista (Assecob).

Publicado na Edição 301 Fevereiro 2020

Feicon Batimat credencia profissionais

O credenciamento on-line para a 26ª edição da Feicon Batimat pode ser feito até 30 de março para profissionais do varejo, engenheiros, construtores e arquitetos, garantindo acesso gratuito à feira, de 31 de março a 3 de abril, no São Paulo Expo, em São Paulo. Nesta versão serão 85 mil m² de área e mais de 700 expositores nacionais e internacionais. “Nestas três décadas de história a Feicon já se transformou em um grande marco no calendário da construção civil. Em uma feira com tantas atividades, muitas acontecendo …

Leia mais

Publicado na Edição 301 Fevereiro 2020

Acervo FAMS

Memórias de além-mar…

Silvestre Gomes: “Minhas raízes não se quebraram nunca, e são elas que alimentam minha obra”

Memórias de além-mar…

O escritor Silvestre Gomes gravou seu depoimento ao Programa Memória-História Oral em 29 de novembro de 2018, no Salão Camoniano do Centro Cultural Português de Santos. Na entrevista, Silvestre fala sobre suas lembranças vividas em Portugal e no Brasil, onde chegou nos anos 1960, e de como suas experiências inspiram a sua obra, que já conta com três romances editados.

Vindo de Vilarinho, Manhouce, Portugal, onde nasceu em 1950, Silvestre Gomes chegou ao Brasil em 1966, radicando-se em Santos. Com sensibilidade aguçada para a música, aprendeu a tocar …

Leia mais

Publicado na Edição 297 Outubro 2019

Unidos e despidos… Todos ganham!

Ricardo Beschizza e André Marques Canoilas

O título é uma mera provocação. O que queremos alertar e evidenciar – por conta do atual cenário social, econômico e político que vivemos – é a necessidade de a sociedade civil, de forma organizada e dedicada, se unir e, despida de quaisquer ideologias e vaidades, lutar pelo bem comum de nossa rua, bairro, cidade, região, estado ou país.

Infelizmente, por muitos e muitos anos, achamos que escolher nossos representantes bastava. Que era responsabilidade do poder político resolver todos os problemas, mazelas …

Leia mais

Publicado na Edição 277 Fevereiro 2018

Divulgação

Retomada imobiliária “surpreendente”

Petrucci: “Perspectiva de retorno do emprego na construção civil a partir do segundo semestre de 2018”

Retomada imobiliária “surpreendente”

O mercado imobiliário da cidade de São Paulo acompanhou o momento de retomada da macroeconomia e, depois de registrar os pontos mais baixos de seus indicadores no ano de 2016, apresentou resultados no ano passado.

“A reação do mercado imobiliário em 2017 foi surpreendente e superou as expectativas do início do ano”, afirmou Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, o Sindicato da Habitação: “A retomada dos lançamentos e da comercialização de imóveis novos na cidade de São Paulo contribui para ampliar a perspectiva de retorno do emprego na construção …

Leia mais