Edição 299Dezembro 2019
Sexta, 24 De Janeiro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 298 Novembro 2019

Divulgação/Secom-PMS

Renovação urbana no Centro de Santos

Santos: “Uma nova ‘frente’, nos ‘fundos’ da cidade”

Renovação urbana no Centro de Santos

Ricardo Beschizza

Durante o Seminário da Indústria da Construção Civil, organizado pelo Grupo A Tribuna, com o apoio da Assecob, tivemos a oportunidade de ouvir uma urbanista falando sobre um tema que atualmente chama muito a atenção: os desafios para o desenvolvimento da renovação urbana.

Áreas degradadas e abandonadas, em várias cidades pelo mundo, recebem a oportunidade de um novo “sopro de vida” e onde antes ninguém mais queria morar passam por uma grande transformação e voltam a ser consideradas áreas nobres e supervalorizadas.

O tal “sopro de vida” pode ter várias motivações de uma localidade para outra, contudo, sem a condução ou o real incentivo do poder público, poucos são os que se aventuram a investir nessas áreas.

Unir a opção de uso misto, comércio/trabalho e moradia, é a melhor e mais eficaz equação para a recuperação de qualquer área.

Bons exemplos não faltam e a utilização do sistema de retrofit pode ser uma excelente alternativa. No Rio de Janeiro, por exemplo, mesmo com todas as mazelas e dificuldades que acompanhamos pela mídia, o poder público identificou hotéis e prédios comerciais abandonados ou subutilizados para passarem pela ação de remodelação e servirem como edifícios residenciais.

Numa cidade como Santos, que não tem opções de expansão de área, a renovação urbana é a grande saída, pois, com isso, conseguiríamos manter na cidade muitas famílias que acabam buscando opções de moradia nos municípios vizinhos. Podemos também considerar positivamente a utilização da infraestrutura de água, luz, esgoto, transporte etc., já instalada nessas áreas, minimizando o investimento público nesses segmentos.

Outro ponto que também chama bastante a atenção é a valorização/transformação de áreas até então consideradas como os “fundos” de uma cidade, em áreas nobres (em novas “frentes”), agregando valor e nova utilidade para esses locais até então renegados.

Sobre esse aspecto, temos uma condição muito favorável em Santos e que poderia trazer ótimos resultados. Afinal, muito próximo do Centro, temos uma grande área próxima à linha d’água (leia-se armazéns portuários do 1 ao 8), que com efetivo empenho e dedicação do poder público poderia se tornar uma grande área de lazer, convivência e contemplação. Uma nova “frente”, nos “fundos” da cidade.

A cada dia que passa, contudo, por conta da ação do tempo e do abandono que é imposto para esse trecho do cais santista, logo, logo, teremos ali só ruínas!

A renovação do Centro de Santos é, sem dúvida, um grande desafio e muito ainda falta por fazer para que possamos definitivamente promover a reocupação de áreas cada vez mais abandonadas. As recentes ações e incentivos divulgados pela Prefeitura ainda estão sendo analisados pelo empresariado e levam um tempo para que comecem a surtir algum efeito.

Com uma ação efetiva de indução e viabilidade econômica para esses empreendimentos, temos certeza que vários empresários passariam a ter interesse em investir e ajudar a recuperar uma área tão nobre de nossa cidade, que serviu de palco para tantos fatos históricos do Brasil, que hoje vive uma época de decadência.

Trabalhar, morar e viver a vida num mesmo local é o sonho de muita gente e poderia ser a redenção para o nosso Centro.

Ricardo Beschizza é engenheiro civil, presidente da Assecob.

Publicado na Edição 264 Janeiro 2017

Leandro Ayres

Enfrentar as mudanças climáticas…

Impacto das alterações do clima é agravado em Santos com o processo de dragagem e aprofundamento do canal de navegação do Porto

Enfrentar as mudanças climáticas…

Surpreendida pela sequência de ressacas que abalou a cidade no ano passado, com inúmeros prejuízos na Ponta da Praia, Santos pretende consolidar em 2017 – quando está completando seu 471º aniversário – a implantação de projeto para reduzir o impacto das forças da Natureza. Denominado Plano Municipal de Mudanças Climáticas (Pmmcs), a estratégia foi apresentada em dezembro, durante o seminário Soluções de Engenharia Imediatas e Definitivas para Proteção da Orla de Santos.

A iniciativa de Santos contempla uma série de ações, mobilizando várias secretarias e órgãos da Administração …

Leia mais

Publicado na Edição 252 Janeiro 2016

Sandra Netto

FÔLEGO para continuar INOVANDO

Prefeito Paulo Alexandre: desafio diário

FÔLEGO para continuar INOVANDO

Luiz Carlos Ferraz

Iniciando o quarto ano de seu mandato à frente da Prefeitura de Santos, Paulo Alexandre Barbosa comemora em janeiro os 470 anos da fundação da vila com um invejável rol de realizações. Talvez não o suficiente para silenciar a oposição política – um movimento que, na verdade, serve apenas para incentivá-lo a cumprir na íntegra sua propalada promessa de campanha, de “cuidar, inovar e avançar”. As conquistas são evidentes e, em meio à crise que solapa praticamente todos os segmentos econômicos, Santos continua dando passos

Leia mais

Publicado na Edição 244 Maio 2015

Bruno Scarpa

Cola no Dido’s!

Dido’s: Ponta da Praia estava precisando de um lugar assim

Cola no Dido’s!

Bruno Scarpa

Prestes a completar seis meses de funcionamento o Dido’s Bar & Food trouxe um novo conceito a Santos. O Dido’s surgiu depois que dois amigos, Marcelo Ramos, 26 anos, e Thiago Squarizi, de 26, e Marcelo Serrão, 51, pai de Marcelo, decidiram abrir um bar na cidade. No primeiro projeto a ideia era mais simples: um bar de faculdade voltado aos universitários. Depois, o Dido’s acabou se tornando um local que atende todos os públicos: estudantes, famílias e crianças! “Vimos na Ponta da Praia uma oportunidade …

Leia mais

Publicado na Edição 244 Maio 2015

Orla de Santos receberá 43 câmeras

Até novembro, a orla da praia de Santos contará com mais 43 câmeras de monitoramento, adquiridas pela Prefeitura da Net Telecom Informática Ltda., com sede em São Bernardo do Campo. Com investimento de R$ 2,2 milhões, serão instaladas em pontos estratégicos 36 câmeras fixas e outras sete do tipo Dome (com giro horizontal de 360º e vertical de 180º) para monitoramento e controle de acesso à praia, especialmente com relação a veículos não autorizados a circular na areia. Atualmente, Santos conta com 476 câmeras distribuídas em 26 bairros. …

Leia mais