Edição 275Dezembro 2017
Domingo, 17 De Dezembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 264 Janeiro 2017

Leandro Ayres

Enfrentar as mudanças climáticas…

Impacto das alterações do clima é agravado em Santos com o processo de dragagem e aprofundamento do canal de navegação do Porto

Enfrentar as mudanças climáticas…

Surpreendida pela sequência de ressacas que abalou a cidade no ano passado, com inúmeros prejuízos na Ponta da Praia, Santos pretende consolidar em 2017 – quando está completando seu 471º aniversário – a implantação de projeto para reduzir o impacto das forças da Natureza. Denominado Plano Municipal de Mudanças Climáticas (Pmmcs), a estratégia foi apresentada em dezembro, durante o seminário Soluções de Engenharia Imediatas e Definitivas para Proteção da Orla de Santos.

A iniciativa de Santos contempla uma série de ações, mobilizando várias secretarias e órgãos da Administração Municipal, sob a coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Urbano. A Pasta é conduzida pelo novo secretário, Júlio Eduardo Simões, e, conforme o programa anunciado, a pretensão da Prefeitura neste ano é buscar um maior envolvimento da população e da sociedade civil organizada.

O Pmmcs aponta sete principais impactos das mudanças climáticas: erosão costeira, danos eventuais de parte da infraestrutura urbana, as interrupções de operações portuárias, prejuízos à mobilidade urbana e ao sistema de drenagem, aumento nas ações em áreas de risco, alterações nos ecossistemas naturais e aumento do nível do mar.

Em Santos, o impacto das mudanças climáticas é agravado com o processo de dragagem e aprofundamento do canal de navegação do Porto de Santos. Essa questão está sendo investigada pelo Ministério Público Federal, cujo procurador da República Antonio José Daloia também apura denúncias contra a dragagem em outro ponto do Porto, no Canal de Piaçaguera. Daloia aguarda informações da Cetesb, a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, ligada ao governo paulista, e defende a suspensão do aprofundamento do canal de navegação, pois acredita que a erosão na Ponta da Praia ocorre em função do impacto ambiental desses serviços.

No âmbito do plano municipal, estas são as principais recomendações a serem desenvolvidas pela Administração Pública:

. Viabilização de instrumentos econômicos, financeiros e fiscais para a promoção dos objetivos, diretrizes, metas, ações e programas;

. Criação de uma Base de Dados sobre mudanças climáticas;

. Incentivo às iniciativas públicas e privadas para mitigação de emissões de gases de efeito estufa (GEE) e adaptação às mudanças climáticas;

. Monitoramento de fatores de risco à saúde decorrentes das mudanças climáticas;

. Garantir participação da sociedade civil, ONGs e Universidades nos processos consultivos e deliberativos relacionados à mudança do clima;

. Criar metas de redução de emissão de GEE, com estratégias de mitigação e adaptação;

. Implantar monitoramento contínuo para prevenção de riscos em áreas costeiras;

. Otimização do aproveitamento e redução dos resíduos;

. Divulgação do tema por meio da informação transparente, científica e democrática;

. Fomentar a proteção e recuperação de ecossistemas naturais;

. Capacitar a população para enfrentar as situações de riscos;

. Introduzir medidas de eficiência energética, de recursos hídricos e ampliação de áreas verdes.

O plano municipal está em sintonia com o Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima (PNA), instituto em maio de 2016 por meio da Portaria nº 150, do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Elaborado pelo governo federal em colaboração com a sociedade civil, setor privado e governos estaduais, o PNA relaciona 11 setores prioritários, entre os quais as zonas costeiras. O objetivo é promover a redução da vulnerabilidade nacional à mudança do clima e realizar uma gestão do risco associada a esse fenômeno.

Publicado na Edição 252 Janeiro 2016

Sandra Netto

FÔLEGO para continuar INOVANDO

Prefeito Paulo Alexandre: desafio diário

FÔLEGO para continuar INOVANDO

Luiz Carlos Ferraz

Iniciando o quarto ano de seu mandato à frente da Prefeitura de Santos, Paulo Alexandre Barbosa comemora em janeiro os 470 anos da fundação da vila com um invejável rol de realizações. Talvez não o suficiente para silenciar a oposição política – um movimento que, na verdade, serve apenas para incentivá-lo a cumprir na íntegra sua propalada promessa de campanha, de “cuidar, inovar e avançar”. As conquistas são evidentes e, em meio à crise que solapa praticamente todos os segmentos econômicos, Santos continua dando passos

Leia mais

Publicado na Edição 244 Maio 2015

Bruno Scarpa

Cola no Dido’s!

Dido’s: Ponta da Praia estava precisando de um lugar assim

Cola no Dido’s!

Bruno Scarpa

Prestes a completar seis meses de funcionamento o Dido’s Bar & Food trouxe um novo conceito a Santos. O Dido’s surgiu depois que dois amigos, Marcelo Ramos, 26 anos, e Thiago Squarizi, de 26, e Marcelo Serrão, 51, pai de Marcelo, decidiram abrir um bar na cidade. No primeiro projeto a ideia era mais simples: um bar de faculdade voltado aos universitários. Depois, o Dido’s acabou se tornando um local que atende todos os públicos: estudantes, famílias e crianças! “Vimos na Ponta da Praia uma oportunidade …

Leia mais

Publicado na Edição 244 Maio 2015

Orla de Santos receberá 43 câmeras

Até novembro, a orla da praia de Santos contará com mais 43 câmeras de monitoramento, adquiridas pela Prefeitura da Net Telecom Informática Ltda., com sede em São Bernardo do Campo. Com investimento de R$ 2,2 milhões, serão instaladas em pontos estratégicos 36 câmeras fixas e outras sete do tipo Dome (com giro horizontal de 360º e vertical de 180º) para monitoramento e controle de acesso à praia, especialmente com relação a veículos não autorizados a circular na areia. Atualmente, Santos conta com 476 câmeras distribuídas em 26 bairros. …

Leia mais