Edição 285Outubro 2018
Sábado, 17 De Novembro De 2018
Editorias

Publicado na Edição 284 Setembro 2018

admin

Sustentabilidade atrai pequenos negócios

Pesquisa envolveu 1.887 empresários de micro e pequenas empresas

Sustentabilidade atrai pequenos negócios

Práticas que reduzem o consumo de energia e água, de separação e destinação correta dos resíduos sólidos, contratação de mão de obra e fornecedores locais, apoio às comunidades no entorno da empresa e comprometimento com a sustentabilidade são algumas das ações sustentáveis que os pequenos negócios estão adotando, em silêncio, em todo o país, segundo pesquisa inédita realizada pelo Centro Sebrae de Sustentabilidade.

A versão integral do estudo Engajamento dos Pequenos Negócios Brasileiros em Sustentabilidade e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) está acessível no link http://bit.ly/PesquisaCSS Esta é a primeira pesquisa nacional sobre o comportamento dos pequenos negócios em sustentabilidade.

O Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) é a unidade de referência nacional do Sistema Sebrae neste tema e está em atividade há mais de sete anos. Localizado junto ao Sebrae Mato Grosso, em Cuiabá (MT), tem como missão produzir e disseminar conhecimento sobre sustentabilidade para os pequenos negócios, visando a inclusão deste segmento na “nova economia”, que prioriza os princípios sustentáveis.

Segundo a pesquisa, os motivos que os levam a adotarem práticas sustentáveis – tais como eficiência energética, uso eficiente de água, gestão de resíduos, apoio à comunidade local, entre outras – são: preservação ambiental (67%); redução de custos (20%); marketing e propaganda (3%); exclusivamente para cumprir a legislação (2%); e outros motivos (7%).

O conceito de sustentabilidade está baseado no tripé que busca conciliar lucro e rentabilidade com respeito ambiental e alto valor sociocultural.

Os pequenos negócios são a grande maioria das empresas no Brasil: 98,5% dos empreendimentos são Microempresas (com faturamento até R$ 360 mil/ano); Empresas de Pequeno Porte (EPP, com faturamento acima de R$ 360 mil até R$ 4,8 milhões/ano) e Microempreendedores Individuais (MEI, com faturamento de R$ 81 mil/ano). Juntos geram 55% dos empregos formais e 45% da massa salarial e são responsáveis por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro (DataSebrae e Anuário do Trabalho 2016).

Ao todo foram entrevistados 1.887 empresários de Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) dos quatro principais setores econômicos (agropecuária, indústria, comércio e serviços) em todos os estados e no Distrito Federal, no período de 24.11.17 a 15.12.17.

Foram abordados os seguintes temas junto aos empresários entrevistados: sustentabilidade; uso eficiente de energia; uso eficiente da água; gerenciamento de resíduos sólidos; desenvolvimento social; política de compras; comprometimento; e oportunidades. As respostas por setor também são apresentadas em cada questão na pesquisa.

Em cada questão, os resultados foram analisados para também apontar com quais dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) os pequenos negócios brasileiros estão contribuindo para seu cumprimento no Brasil. Os ODS compõem a Agenda 2030 da ONU, assumida por 193 países-membros, em 2015, em Nova Iorque. O Brasil é signatário da Agenda 2030. Os 17 ODS são divididos em 169 metas.

Ao adotarem práticas sustentáveis os pequenos negócios brasileiros estão contribuindo principalmente com os ODS: 8 (Trabalho decente e crescimento econômico); 10 (Redução das desigualdades); e 12 (Consumo e produção responsáveis).

Várias práticas também dialogam com outros ODS, sendo eles: 1 (Erradicação da pobreza); 3 (Saúde e Bem-estar); 6 (Água e Saneamento); 7 (Energia limpa); 9 (Indústria e Renovação); 11 (Cidades e comunidades sustentáveis; 14 (Vida sob a água); 15 (Vida sobre a terra); e 17 (Parcerias pelas metas).

Grandes transformações estão ocorrendo na economia brasileira e global em decorrência da adoção dos princípios da sustentabilidade, que devem ser estudadas e acompanhadas, de acordo com Suênia Sousa, gerente do Centro Sebrae de Sustentabilidade.

Os pequenos negócios são mais flexíveis e ágeis para se adequarem às mudanças do que grandes empresas. O segmento está presente em todos os biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Pantanal, Caatinga e Pampas). E nem sempre grandes empresas estão neles.

 

Destaques da pesquisa e contribuições aos ODS da Agenda 2030 da ONU

. 93% estão comprometidos com a sustentabilidade

. 54% aplicam ações isoladas, esporadicamente, sem planejamento

. 29% têm algumas práticas sustentáveis planejadas

. 8% a sustentabilidade é o coração da empresa

. 8% possuem projeto com práticas estruturadas e acompanhamento dos resultados

. 1% não aplica sustentabilidade no negócio

. 85% apoiam comunidade local

. 93% contratam mão de obra local

. 80% dão preferência aos fornecedores locais

. 54% incentivam funcionários a terem atitudes voluntárias em projetos filantrópicos e sociais

. 52% participam/apoiam atividades culturais/educacionais da comunidade

. 25% investem na preservação de praças e espaços públicos

. 97% dos entrevistados substituíram lâmpadas incandescentes por fluorescentes econômicas e LED

. 74% possuem horários definidos para ligar e desligar equipamentos

. 68% trocam equipamentos ou maquinários por outros mais eficientes

. 28% implantam sensores de presença nos ambientes

. 7% usam energias renováveis/limpas (solar, eólica, biomassa e outras)

. 60% declararam ter alguma prática para economizar o uso de água

. 48% instalaram vasos sanitários acoplados com descarga de duplo acionamento

. 45% fazem reaproveitamento de água (pias, chuveiro etc.) para fins não potáveis (lavar pisos, regar plantas e jardins, lavar automóveis etc.)

. 29% fazem captação de água da chuva

. 25% instalaram torneiras com acionamento automático

. 81% adotam alguma iniciativa para separação e destinação correta dos resíduos

. 87% separam resíduos não recicláveis (úmidos) dos recicláveis (secos) para encaminhar à reciclagem

. 71% separam resíduos perigosos (lâmpadas, óleo, pilhas e baterias, eletrônicos) para colega por empresa especializada

. 56% doam alguns tipos de resíduos para grupos de artesãos

. 31% possuem política integrada de gerenciamento de resíduos da empresa

. 23% fazem compostagem dos resíduos orgânicos (adubo)

. 42% buscam materiais mais sustentáveis e compram somente se não afetar os custos da empresa

. 28% o preço é fator mais importante na hora da compra

. 24% desconhecem fornecedores de produtos sustentáveis na região

. 6% compram somente materiais sustentáveis

. 93% se declararam comprometidos com o conceito de sustentabilidade

. 67% buscam a preservação do meio ambiente e justiça social

. 20% para economizar/reduzir custos

. 4% para divulgar a empresa (marketing e propaganda)

. 91% consideram que novas oportunidades e modelos de negócio estão surgindo da sustentabilidade.

Publicado na Edição 275 Dezembro 2017

Reprodução

RenovaBio: o planeta agradece!

RenovaBio: reduzir as mortes causadas pela poluição do ar e os custos sociais atrelados à emissão de gases de efeito estufa

RenovaBio: o planeta agradece!

A poluição do ar mata, em média, 31 pessoas por dia no Estado de São Paulo, segundo o Instituto Saúde e Sustentabilidade, baseado em relatório deste ano da Cetesb, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Para os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp), a elevação do nível da poluição atmosférica pode aumentar em até 12% o risco de morte em dias de “pico” de contaminação do ar.

O problema, contudo, não é exclusivo de São Paulo. Dados da Organização Mundial de …

Leia mais

Publicado na Edição 264 Janeiro 2017

Leandro Ayres

Enfrentar as mudanças climáticas…

Impacto das alterações do clima é agravado em Santos com o processo de dragagem e aprofundamento do canal de navegação do Porto

Enfrentar as mudanças climáticas…

Surpreendida pela sequência de ressacas que abalou a cidade no ano passado, com inúmeros prejuízos na Ponta da Praia, Santos pretende consolidar em 2017 – quando está completando seu 471º aniversário – a implantação de projeto para reduzir o impacto das forças da Natureza. Denominado Plano Municipal de Mudanças Climáticas (Pmmcs), a estratégia foi apresentada em dezembro, durante o seminário Soluções de Engenharia Imediatas e Definitivas para Proteção da Orla de Santos.

A iniciativa de Santos contempla uma série de ações, mobilizando várias secretarias e órgãos da Administração …

Leia mais

Publicado na Edição 243 Abril 2015

Sérgio Furtado/Divulgação

Cetesb multa Ultracargo em R$ 22,5 mi

Incêndio atingiu terminal entre os dias 2 e 9 de abril

Cetesb multa Ultracargo em R$ 22,5 mi

Ainda alvo de ação do Ministério Público do Estado de São Paulo (o que poderá ampliar sua punição…), o Terminal Químico de Aratu/Tequimar, do Grupo Ultracargo, foi multado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em R$ 22.500.000,00 por danos ambientais, riscos à população e outras consequências do incêndio na zona industrial de Santos, no bairro da Alemoa. A penalidade se baseou nos artigos 61 e 62 do decreto federal nº 6514/08, que regulamenta a Lei nº 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais.

A Tequimar …

Leia mais