Edição 308Setembro 2020
Terça, 29 De Setembro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 305 Junho 2020

Acervo FAMS

Pioneiros da patinação artística

Herbert e Leonor: muitas alegrias proporcionadas pela vida dedicada ao esporte

Pioneiros da patinação artística

Leonor e Herbert Tort, responsáveis pela introdução da patinação artística na cidade de Santos, gravaram depoimento ao Programa Memória-História Oral no dia 4 de março 2020 nas dependências do Museu De Vaney, mantido pela Secretaria Municipal de Esportes de Santos e parceiro do programa. Na entrevista o casal conta sobre sua vida no país natal, o Uruguai, suas experiências pioneiras na patinação e as dificuldades e muitas alegrias proporcionadas pela vida dedicada ao esporte.

Nascido em 10 de setembro de 1927, em Montevidéu, no Uruguai, Herbert Hugo Tort Laureiro chegou a Santos como cônsul honorário do país natal. Uma carreira construída em cima dos patins: Tort integrou a seleção uruguaia de patinação artística nos anos 1950, e entre idas e vindas ao Brasil acabou ficando em Santos, nos anos 1960. Alternando o trabalho no consulado com a produção de espetáculos de patinação, Tort introduziu aqui as águas dançantes, sistemas de luzes e fontes aquáticas programadas de acordo com a coreografia.

Sua mulher, Leonor, nasceu também em Montevidéu, em 29 de junho de 1940. Veio para o Brasil nos anos 1970, e foi uma das primeiras professoras de patins no Clube Internacional de Regatas, em Santos. Lembra do Uruguai situado em um tempo distante: “A maioria das pessoas que saiu de lá foi para tentar uma vida melhor fora, ganhar mais. E foram tantos que hoje se acredita que a população uruguaia no exterior é maior do que no próprio país”. Hoje o país está em uma situação econômica bem melhor, acrescenta Herbert Tort: “Embora um peso uruguaio valha centavos de real, o custo de vida lá é baixo, e a distribuição de renda é boa. Não há analfabetismo no Uruguai”, orgulha-se o pioneiro.

Uma das melhores memórias de Tort remete ao dia 16 de julho de 1950. Ele se lembra bem daquela tarde, depois que o árbitro inglês George Reader apitou o fim de Uruguai 2 X Brasil 1, na final da Copa do Mundo de 1950: “Estávamos ouvindo no rádio. Aos poucos, as pessoas foram saindo das casas e se abraçando nas ruas. Sem ninguém combinar nada, foram todos indo para a Avenida 18 de Julho comemorar”. Era o Uruguai sagrando-se campeão do mundo de futebol pela segunda vez e em pleno Maracanã. “Foi fantástico”, emociona-se Tort.

Atualmente Herbert Tort não dá mais aula, mas observa os treinos da neta Maria Clara Tort, filha de Dani Tort, que também patinou e é professora da modalidade nos clubes Tumiaru, de São Vicente, e Portuários, de Santos. Sem dúvida ela é uma das melhores pessoas para falar do pai, homenageado com a criação da Copa Herbert Tort de Patinação Artística, que já conta com várias edições: “A Copa foi organizada com muito carinho e amor em homenagem ao ‘cara’! Ao homem que talvez poucas pessoas tiveram o privilégio de conviver e aproveitar seus ensinamentos, dentro e fora da quadra. Ao incentivador do esporte, que deixou seu país para se aventurar no ‘estrangeiro’ para fazer o que mais amava: dar aula de patinação. Tenho certeza que meu pai, não só em Santos, mas no Brasil e no seu país Uruguai, possui admiradores. Quem viu e presenciou meu pai patinando, tem sempre a lembrança do homem inovador e criativo. Ele sabia, e muito, cativar e conquistar seus alunos. Espero ter aprendido um pouquinho com ele, e com muito amor e respeito ao próximo”.

A entrevista completa de Leonor e Herbert Tort está no canal oficial do Programa Memória-História Oral no Youtube, em www.youtube.com/c/programamemoriahistoriaoral

Conheça o trabalho desenvolvido pela Fundação Arquivo e Memória de Santos: acesse o site www.fundasantos.org.br

Publicado na Edição 284 Setembro 2018

Sustentabilidade atrai pequenos negócios

Pesquisa envolveu 1.887 empresários de micro e pequenas empresas

Sustentabilidade atrai pequenos negócios

Práticas que reduzem o consumo de energia e água, de separação e destinação correta dos resíduos sólidos, contratação de mão de obra e fornecedores locais, apoio às comunidades no entorno da empresa e comprometimento com a sustentabilidade são algumas das ações sustentáveis que os pequenos negócios estão adotando, em silêncio, em todo o país, segundo pesquisa inédita realizada pelo Centro Sebrae de Sustentabilidade.

A versão integral do estudo Engajamento dos Pequenos Negócios Brasileiros em Sustentabilidade e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) está acessível no link http://bit.ly/PesquisaCSS Esta …

Leia mais

Publicado na Edição 275 Dezembro 2017

Reprodução

RenovaBio: o planeta agradece!

RenovaBio: reduzir as mortes causadas pela poluição do ar e os custos sociais atrelados à emissão de gases de efeito estufa

RenovaBio: o planeta agradece!

A poluição do ar mata, em média, 31 pessoas por dia no Estado de São Paulo, segundo o Instituto Saúde e Sustentabilidade, baseado em relatório deste ano da Cetesb, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Para os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp), a elevação do nível da poluição atmosférica pode aumentar em até 12% o risco de morte em dias de “pico” de contaminação do ar.

O problema, contudo, não é exclusivo de São Paulo. Dados da Organização Mundial de …

Leia mais

Publicado na Edição 264 Janeiro 2017

Leandro Ayres

Enfrentar as mudanças climáticas…

Impacto das alterações do clima é agravado em Santos com o processo de dragagem e aprofundamento do canal de navegação do Porto

Enfrentar as mudanças climáticas…

Surpreendida pela sequência de ressacas que abalou a cidade no ano passado, com inúmeros prejuízos na Ponta da Praia, Santos pretende consolidar em 2017 – quando está completando seu 471º aniversário – a implantação de projeto para reduzir o impacto das forças da Natureza. Denominado Plano Municipal de Mudanças Climáticas (Pmmcs), a estratégia foi apresentada em dezembro, durante o seminário Soluções de Engenharia Imediatas e Definitivas para Proteção da Orla de Santos.

A iniciativa de Santos contempla uma série de ações, mobilizando várias secretarias e órgãos da Administração …

Leia mais

Publicado na Edição 243 Abril 2015

Sérgio Furtado/Divulgação

Cetesb multa Ultracargo em R$ 22,5 mi

Incêndio atingiu terminal entre os dias 2 e 9 de abril

Cetesb multa Ultracargo em R$ 22,5 mi

Ainda alvo de ação do Ministério Público do Estado de São Paulo (o que poderá ampliar sua punição…), o Terminal Químico de Aratu/Tequimar, do Grupo Ultracargo, foi multado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em R$ 22.500.000,00 por danos ambientais, riscos à população e outras consequências do incêndio na zona industrial de Santos, no bairro da Alemoa. A penalidade se baseou nos artigos 61 e 62 do decreto federal nº 6514/08, que regulamenta a Lei nº 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais.

A Tequimar …

Leia mais