Edição 327Abril 2022
Quarta, 25 De Maio De 2022
Editorias

Publicado na Edição 320 Setembro 2021

Divulgação

O melhor está por vir

Orlando Downtown: região apresenta crescimento constante

O melhor está por vir

Carlos Abdala

Quando se fala em Flórida o que vem à mente é Miami e Orlando. Miami uma cidade ícone desde os anos 50 com seu charme latino, Verão de um ano, carros esportivos, mulheres bonitas e dinheiro, muito dinheiro. Orlando lembra os parques da Disney que aqui se desenvolveram nos anos 70 trazendo diversão, muita diversão.

Após esse meio século podemos dizer que o melhor está por vir. O que mais impressiona aqueles que optaram por aqui viver é o ritmo constante de crescimento, inovações, dinamismo e pujança econômica. Parece mesmo que “dinheiro dá em árvore”, nas laranjeiras da Flórida. Sobra investimento, com dinheiro sempre disponível para quem vem trabalhar duro e, principalmente, com ampla visão de negócios.

Neste período Miami concentrou empresas voltadas para o mercado latino-americano com um forte centro financeiro que recebe investimentos diversos proporcionando crescimento imobiliário constante. A região da Grande Orlando, conhecida como Central Flórida beneficiou-se de estar em uma região praticamente livre dos furacões, e desenvolvida em área antes predominantemente rural, proporcionando extensas áreas disponíveis ao desenvolvimento imobiliário. Com uma característica mais “americana” que Miami que, com sua latente personalidade latina, é conhecida também por ser a “República Independiente de Miami” (há quem diga que fica a somente meia hora de voo dos Estados Unidos), Orlando continua atraindo migrantes de todos os estados americanos, seja por pura opção daqueles que querem viver em um clima bem mais agradável do que na maioria dos estados, ou pelo crescimento das empresas locais, ou ainda pelas novas empresas que aqui se instalam, tal como fizeram recentemente Amazon e Walmart, com grandes centros de distribuição para vendas online.

Orlando vem nesse crescimento constante, iniciado lá atrás pela instalação dos parques da Disney, e mantendo o ritmo com a criação de novos grandes bairros, como Lake Nona, que se caracteriza tanto por centro de excelência no esporte tênis, como por empresas voltadas à saúde e novos hospitais; a UCF – University of Central Flórida, já com mais de 60 mil alunos neste ano de 2021 e, novamente a Disney, que planeja a relocação de seus funcionários da Califórnia para a Flórida Central. Entre outras.

Diferentemente de Miami, a Grande Orlando ainda tem amplas áreas disponíveis para empreendimentos imobiliários e a preços muito mais “razoáveis”, além de constar como menor custo de vida, se comparada com regiões de equivalente potencial e ambiente socioeconômico no país. As residências aqui chegam a custar até um terço daquelas equivalentes na Costa Oeste ou nos estados do Norte do país, e contando com urbanização recente e moderna, relativamente pouco tráfego de veículos, boas escolas e um clima super agradável.

A tudo isso une-se o esperado projeto do trem denominado Brightline, ligando Miami a Orlando e Tampa (na costa do golfo), com previsão de conclusão do trecho Miami-Orlando já em 2022 com um investimento total de US$ 4.4 bilhões. O Brightline alcançará velocidade de até 201 quilômetros por hora, fazendo Miami-Orlando em aproximadamente 3 horas e com muito conforto.

Mas não é só. Atualmente especula-se a criação de um “novo vale do silício”, com as empresas de tecnologia planejando deixar a região de São Francisco, na Califórnia, devido aos altos custos de implantação, manutenção e, acima de tudo, o altíssimo custo de vida. Na “parada” estão o Texas e a Flórida, com Miami e Orlando, devido a todas as qualidades que existem por aqui.

Com tudo o que estamos vendo acontecer podemos perguntar: qual o futuro que se vislumbra para o mercado imobiliário local? Sinto-me seguro para responder: O MELHOR ESTÁ POR VIR!!!

Carlos Abdala é real estate broker na Flórida, Estados Unidos, e-mail carlosabdala@hotmail.com, Whatsapp + 1 407 308 8536

Miami: forte centro financeiro dos EUA

Responder