Edição 308Setembro 2020
Sexta, 25 De Setembro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 307 Agosto 2020

Divulgação

Um mês de cada vez…

Mercado tem alta em julho, mas no comparativo anual está fraco

Um mês de cada vez…

Nelson Tucci

É certo que a pandemia arrefeceu o ânimo da economia e criou imensas dificuldades para vários setores. O país, no entanto, continuou comendo – pior, talvez, mas continuou. E exportou alimentos. A safra agrícola neste ano deverá totalizar 247,4 milhões de toneladas o que, confirmado, será recorde, com produção de 6 milhões de toneladas a mais que a anterior. Em 2019 o agronegócio respondeu por 21,4% do PIB brasileiro e neste ano não deverá ser muito diferente, pois o setor continua injetando oxigênio na economia. E para movimentar todo esse volume são necessários caminhões e implementos agrícolas, cuja produção já começou a ser retomada em julho, com números um pouco mais otimistas.

O Plano Safra 2020-21 foi anunciado em junho e reservou crédito de R$ 236,3 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional. O montante representa alta de 6,1% (R$ 13,5 bilhões a mais) em relação à safra anterior. De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o PIB do agro deverá crescer 3% neste ano, se comparado ao de 2019. Embora o consumo tenha sofrido solavancos, nos últimos meses, há incremento da produção de soja e maior exportação de carne bovina.

Na esteira desse crescimento deverão vir os caminhões e implementos agrícolas. No mês passado a indústria nacional entregou 6,8 mil unidades somente de caminhões, o que representa volume 22,8% maior que o mês anterior (junho), de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O percentual é animador se visto isoladamente, mas no comparativo com igual período de 2019 nos traz à realidade: houve recuo de 37% na produção. Separados os sete primeiros meses do ano, contra igual período no ano passado, registra-se recuo de 37,3% (produção de 41,6 mil unidades, em 2020).

Segundo o vice-presidente da Anfavea, Gustavo Bonini, a produção nacional retomando o rumo “é reflexo da boa demanda de caminhões para o mercado interno, que continua sendo impulsionado pelo agronegócio, além de outras atividades de transporte que ganharam mais notoriedade durante a pandemia, alguns considerados essenciais, tais como transporte de medicamentos e combustíveis”.

As assessorias da Volvo, Mercedes e VW têm se ocupado em veicular novos contratos de vendas, o que sempre anima quem lê, mas a prudência recomenda o step by step, uma vez que os rumos da economia (atrelados ao desempenho do governo) é que ditarão as vendas e locações. Portanto, é preciso fazer as contas de um mês de cada vez.

Leia Veículos & Negócios atualizada semanalmente em www.veiculosenegocios.blogspot.com.br

Responder