Edição 319Agosto 2021
Quinta, 23 De Setembro De 2021
Editorias

Publicado em 7/07/2021 - 7:01 am em | 0 comentários

Paul François Colas Rosas/Divulgação

Muriqui-do-sul é identificado em reserva florestal no Sul de Minas Gerais

Espécie rara, ameaçada de extinção

Muriqui-do-sul é identificado em reserva florestal no Sul de Minas Gerais

Biólogos e especialistas em Zoologia contratados pela Melhoramentos fizeram registro do macaco muriqui-do-sul (Brachyteles arachnoides) na região de Monte Verde em Camanducaia, Sul de Minas Gerais, numa área de floresta nativa protegida pela empresa. Primata endêmico da Mata Atlântica, o muriqui-do-sul é o maior macaco das Américas.

O desflorestamento histórico de seu habitat, a caça ilegal e o turismo inadequado ocasionaram a separação das populações ao longo de sua distribuição natural, fazendo com que a espécie hoje esteja criticamente ameaçada de extinção. Estima-se que a população mínima ainda existente seja de cerca de 1.300 indivíduos, sendo menos de 500 adultos, aptos para reprodução.

O muriqui-do-sul geralmente prefere ficar nos estratos mais altos da vegetação, e é apontado como uma das espécies mais dóceis entre os primatas. Pode chegar a 15 kg e até 1,60 m de comprimento da cabeça a cauda, e se destaca como grande saltador. É apelidado de “mono-carvoeiro” devido a face escura rodeado por pelagem branca, como se estivesse sujo de carvão.

Embora há anos a Melhoramentos realize o monitoramento da fauna local, até hoje não havia registros do muriqui-do-sul na área preservada pela empresa, que já tem catalogada mais de 200 espécies, entre mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes.

“Este pode ser um dos primeiros registros desse primata em Minas Gerais”, comemora o biólogo e mestre em Zoologia, Paul François Colas-Rosas, um dos responsáveis pelo trabalho de monitoramento das áreas florestais da empresa. Os registros mais frequentes da espécie, segundo ele, ocorrem nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

“Trata-se de uma descoberta extremamente relevante, porque demonstra a importância da preservação das reservas florestais privadas para a conservação das espécies silvestres, sobretudo as ameaçadas de extinção”, afirmou Paul: “Além disso, amplia o conhecimento nessas áreas para a realização de novas ações de proteção e conservação do muriqui-do-sul, o que acreditamos que vai evitar ainda mais a extinção da espécie”.

A área em que o muriqui-do-sul foi identificado é protegida pela Melhoramentos, que regularmente desenvolve práticas certificadas de manejo e preservação de extensas áreas de florestas nativas. Além de Minas Gerais, a empresa também atua em São Paulo, nas regiões de Caieiras e Bragança Paulista.

O trabalho de preservação inclui a manutenção de corredores ecológicos, monitoramentos periódicos de fauna, flora e hidrologia. Todas as áreas de responsabilidade da empresa são inspecionadas por equipes técnicas e monitores de campo, a fim de coibir a caça e atividades ilegais, bem como verificar a eficácia das ações de conservação desenvolvidas. Até mesmo as técnicas de plantio florestal são condicionadas ao mínimo de impacto, buscando preservar o solo e os recursos naturais.

Responder