Edição 283Agosto 2018
Quinta, 20 De Setembro De 2018
Editorias

Publicado em 26/06/2018 - 8:59 am em | 0 comentários

Divulgação

Defesa pessoal para diminuir os índices de violência urbana

Krav Maga torna as pessoas mais atentas, colaborativas e menos suscetíveis às possíveis agressões

Defesa pessoal para diminuir os índices de violência urbana

Com o país avançando nos índices de violência urbana, seja contra o jovem, mulher ou idoso, a prática do Krav Maga, a defesa pessoal israelense, pode ser uma ferramenta de combate a esse tipo de agressão. Quando o assunto é defesa pessoal, o primeiro questionamento é se a reação pode ser um fator de agravamento da violência.

Segundo explica o Grão Mestre Kobi Lichtenstein, introdutor do Krav Maga no Brasil, tudo o que uma pessoa faz quando é atacada é considerado uma reação. O Krava Maga trabalha sobre o controle dessa reação.

“Quando nos deparamos com uma agressão, muitos de nós podem se desesperar, muitos podem chorar, muitos podem agir impulsivamente”, explica Kobi. Segundo ele, o treinamento adequado nos dá a possibilidade de controlar nossas reações e de agirmos dentro de nossa área de segurança.

Ele afirma que o treinamento de defesa pessoal bem executado prepara as pessoas para que fiquem mais atentas às situações de risco. Olhar ao redor, ouvir atentamente, perceber movimentos, ou seja, estar atento pode ser a chave para que o risco seja menor e para que não nos coloquemos em perigo.

Ao contrário do que se pensa, o praticante de Krav Maga não é uma pessoa mais violenta e sim mais atenta e preparada para controlar suas reações. Caso o ataque ocorra, o treinamento adequado de Krav Maga faz com que em uma fração de tempo, o praticante avalie as condições do ataque e as suas condições de defesa: “Se, por exemplo, o assaltante quer meu relógio e eu acho que vale a pena entregar e não colocar minha vida em risco, é uma opção, ou seja, uma reação controlada”.

E acrescenta: “Se eu percebo que a minha vida ou a vida de terceiros está em risco, eu sei que o Krav Maga me dá possibilidades de avaliar aquela situação – quantas pessoas estão me ameaçando, se estão armadas ou não – e de reagir com segurança para voltar para casa inteiro”.

O Krav Maga não é esporte. A modalidade é mundialmente reconhecida como defesa pessoal e não como arte marcial. Dessa forma, por tratar da segurança e da vida das pessoas, o ensino e a difusão da modalidade exige extrema responsabilidade.

Com o aumento constante dos índices de violência, a procura por modalidades de defesa pessoal aumentou muito no Brasil, assim como a oferta.

A Federação Sul Americana de Krav Maga é a única representante oficial da modalidade no Brasil, México e Argentina e detentora da marca Krav Maga no Brasil.

A entidade é presidida pelo Grão Mestre Kobi, que foi aluno direto do criador do Krav Maga, Imi Lichtenfeld, e foi o primeiro faixa-preta de Imi a sair do estado de Israel para difundir a modalidade. Kobi chegou ao Brasil em 1990 e ao longo destes anos vem realizando um trabalho extremamente sério e responsável na difusão da técnica. Ainda hoje, o método de prática e de ensino que aplica é o mesmo criado por Imi Lichtenfeld e utilizado em Israel.

Kobi supervisiona pessoalmente a prática e a divulgação do Krav Maga no Brasil, na Argentina e no México, mantendo o alto nível ético e técnico dos instrutores e alunos, seguindo os passos ditados por Imi. É ele quem aplica, pessoalmente, os exames de graduação de cada um de seus alunos, dentro e fora do Brasil.

Homens ou mulheres, independentemente de sua idade ou porte físico, podem praticar o Krav Maga. Do ponto de vista físico, o princípio desta modalidade de defesa é que os exercícios sejam exequíveis por qualquer pessoa, em seu ritmo próprio, respeitando o limite de seu corpo.

Emocionalmente, o Krav Maga forma pessoas mais seguras. Para se enfrentar situações de risco é preciso capacidade mental e isso se adquire por meio de práticas orientadas pelo instrutor.

A prática também influencia no comportamento. Atenção, disciplina e seriedade, saber diferenciar o certo do errado, usar o autocontrole, tudo isso é praticado.

O resultado de tudo extrapola os treinamentos e se reflete na qualidade de vida das pessoas. Hoje, civis e militares adotam o Krav Maga no mundo inteiro por sua eficiência em combate.

De acordo com o Atlas da Violência de 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o número de 62.517 assassinatos cometidos no país em 2016 (base do relatório) coloca o Brasil em um patamar 30 vezes maior do que o da Europa. Em 2016, pela primeira vez na história, o número de homicídios no Brasil superou a casa dos 60 mil em um ano.

Só na última década, 553 mil brasileiros perderam a vida por morte violenta, ou seja, um total de 153 mortes por dia. Os homicídios representam quase 10% do total das mortes no país e atingem principalmente os homens jovens: 56,5% de óbitos dos brasileiros entre 15 e 19 anos foram mortes violentas em 2016. Já a taxa de homicídios de mulheres, em 10 anos, aumentou 15,4%.

Apesar de São Paulo ter registrado índices abaixo do restante do país, os dados são alarmantes. São Paulo teve uma queda de 46,7% na taxa de homicídios dolosos por 100 mil habitantes, entre 2006 – quando o índice foi de 20,4 – e 2016, ocasião em que o indicador foi de 10,9 ocorrências.

O Estado de São Paulo também foi o que mais reduziu a quantidade homicídios dolosos de jovens entre 15 e 29 anos no Brasil. A diminuição da taxa foi de 51,6% em 10 anos. No período, a taxa caiu de 39,3, em 2006, para 19,0 homicídios por 100 mil jovens, em 2016.

Também é o Estado com a menor taxa de homicídio de mulheres do Brasil. O índice foi de 2,2 por 100 mil, em 2016, com queda de 40,4% em relação ao ano de 2006, quando a taxa era de 3,7 por 100 mil mulheres. O país teve aumento de 6,4% dessa taxa, que passou de 4,2 homicídios por 100 mil mulheres em 2006, para 4,5 em 2016.

Mais em www.kravmaga.com.br