Edição 273Outubro 2017
Sábado, 18 De Novembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 259 Agosto 2016

Divulgação

Condephaat tomba marco brutalista

Antigo Santa Paula Iate Clube: marco da chamada arquitetura brutalista

Condephaat tomba marco brutalista

O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) homologou o tombamento do Santa Paula Iate Clube, na capital paulista. As instalações estão localizadas na Avenida Atlântica, às margens da represa do Guarapiranga, e representam um marco da chamada arquitetura brutalista. Atualmente, o conjunto está abandonado, sofrendo a ação do tempo, com infiltração em vários pontos: as vigas de sustentação estão esfarelando, a ferrugem das estruturas faz parte do cotidiano, além de pichações por toda a parte.

O tombamento abrange a garagem de barcos, o conjunto de piscinas e o túnel de ligação do Iate Clube, elementos do local que foram projetados por João Batista Vilanova Artigas, ícone da arquitetura moderna responsável por diversos patrimônios no estado de São Paulo.

As justificativas do tombamento são a solução arquitetônica de Artigas, que incorpora a permeabilidade do edifício da garagem de barcos e a relação dele com a Represa Guarapiranga; a conexão entre elementos através de passagem subterrânea e o desenho das piscinas e os muros de pedra que garantem unidade ao conjunto projetado.

O Condephaat tombou diversas obras de Vilanova Artigas por sua importância histórica, artística e arquitetônica. Entre elas, estão a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, o Edifício Louveira, o Balneário de Jahu (atual Balneário Municipal Aristides Coló) e as residências do arquiteto.

Nascido em Curitiba, Vilanova Artigas graduou-se pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e frequentou o Grupo Santa Helena. Autor de vários projetos importantes e de impacto sociológico, Artigas também foi criador do edifício da FAU – USP, inaugurado em 1969, um dos melhores exemplos de arquitetura brutalista.

O projeto da Garagem de Barcos do Clube Santa Paula, mais conhecido como Santapaula Iate Clube, é considerado a primeira manifestação do brutalismo paulista.

Ela foi projetada por Vilanova Artigas e o também arquiteto Carlos Cascaldi. O projeto original era para ser um conjunto de prédios de hotéis. A obra foi iniciada na década de 50, porém abandonada pelo antigo proprietário. Em 1961, Artigas e Cascaldi assumem a reforma do complexo e a construção do que viria a ser o marco na arquitetura brasileira, o Iate Clube Santa Paula.

Conhecido também como Iate Clube 61, este complexo mudou a face do então pacato bairro de Interlagos, que estava sendo loteado, e ganhou a atenção de empreendedores. Adelino Borelli, presidente da Santapaula Melhoramentos, empresa de administração, loteamento e imobiliária, viu a capacidade que Interlagos possuía e que poderia beneficiar o lazer dos paulistanos. A represa de Guarapiranga já era conhecida como a praia de São Paulo, porém, sem nenhuma infraestrutura para as pessoas desfrutarem o dia por ali.

Inaugurado em 1964, Santapaula Iate Clube logo se tornou ilustre. O complexo possuía amplas dependências sociais, como piscinas, saunas, restaurante, postos de controle, embarcadouro e oficina para os iates. Havia uma extensa estrutura para os associados poderem desfrutar o que a represa de Guarapiranga oferecia e um refúgio para quem não queria perder tempo em congestionamentos para o litoral. Em 1973 o cantor Roberto Carlos chegou a se apresentar no Iate Clube arrastando milhares de pessoas.

Santapaula tinha tudo pra ser um sucesso, mas começou a entrar em decadência. Em meados da década 80, o Iate Clube já não era mais o mesmo e gradativamente o espaço foi encerrando as suas atividades. Hoje o marco da arquitetura brutalista está abandonado. Maltratado pela ação do tempo, o antigo clube tem problemas de infiltração que estão em toda parte.

Mesmo com tantas dificuldades, o antigo Santapaula Iate Clube foi tombado em 2007 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico de São Paulo (Conpresp). Ou seja, o complexo não pode ser demolido, mas algumas partes correm risco de cair. Em 2010, o Conpresp aprovou projeto de restauro para implantação de complexo hoteleiro e centro de convenções. Mas, nada foi feito.

Arquitetura_Garagem-de-Barcos-1961_arquivo_artigas_2

Antigo Santa Paula Iate Clube: projeto do arquiteto João Batista Vilanova Artigas