Edição 292Maio 2019
Quarta, 19 De Junho De 2019
Editorias

Publicado na Edição 292 Maio 2019

Divulgação

Relação entre o corpo e a mente

Fisioterapia psicossomática: modelo biopsicossocial

Relação entre o corpo e a mente

A pessoa que sente dores crônicas pode desenvolver depressão ou vice-versa, e o fisioterapeuta adepto ao modelo biopsicossocial tem um papel fundamental nesse processo, ajudando o paciente a estabelecer a relação entre a mente e o corpo, ou seja, os aspectos emocionais e físicos. O fisioterapeuta Edson Santiago, especialista em Musculoesquelética e pesquisador em dor pela Santa Casa de São Paulo, explica: “Começou-se a observar que muitos pacientes com ansiedade, estresse emocional, depressão, problemas familiares, que sentem dificuldade de interação social, ou os que têm medo de realizar atividades físicas, são mais suscetíveis a terem dores crônicas do que os pacientes que têm hérnia de disco, dor lombar, artrose de joelho, dentre outras”.

Anteriormente as dores eram tratadas apenas fisicamente, causa e efeito: o modelo biomédico. O paciente encontra a cura física, porém, após um breve período de tempo, a dor retorna. Hoje, acredita-se em um modelo mais humanizado para uma cura definitiva, o tratamento biopsicossocial. “O tratamento tradicional envolve tratar a causa”, acrescenta Santiago. “Já o modelo biopsicossocial vai além. Existe uma preocupação com a compreensão do comportamento humano, dedicando-se à relação entre corpo e mente”.

O paciente colabora em sua avaliação biopsicossocial, feita com auxílio de questionários, onde são investigados os impedimentos nas funções e na estrutura do corpo, fatores sociais e os aspectos psicológicos, para que o fisioterapeuta possa identificar de onde vêm os distúrbios causadores de sua dor.