Edição 316Maio 2021
Sexta, 18 De Junho De 2021
Editorias

Publicado na Edição 312 Janeiro 2021

Divulgação

Inimigas da visão

Telas na infância podem desencadear alterações na visão

Inimigas da visão

A pandemia impôs o confinamento das crianças em casa e levou ao uso compulsivo do celular, tablet e computador nas atividades educacionais ou recreativas. De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, nossos olhos se desenvolvem até os oito anos de idade e este estilo de vida pode comprometer o sistema visual: “Isso explica porque vários estudos indicam que o excesso de telas eletrônicas na infância pode desencadear alterações na visão. Uma delas é a miopia acomodativa, dificuldade temporária de enxergar à distância provocada pelo esforço visual para perto e falta de atividade ao ar livre. A outra é o estrabismo, desalinhamento dos olhos apontado por um estudo italiano que acaba de ser publicado no Journal of Pediatric Ophthalmology & Strabismus”.

Queiroz Neto explica que o estrabismo atinge 5% da população do país e está em ascensão. Quando provocado pelas telas está associado ao excesso de informação visual e à velocidade das imagens. Para ele, os pais precisam observar os olhos das crianças: “Muitos demoram para consultar um oftalmologista porque algumas têm estrabismo intermitente em que o desalinhamento só acontece durante as atividades de maior esforço visual. A descontinuidade do sintoma é interpretada como regressão do problema e por isso acabam colocando a visão do filho em risco”.

O especialista explica que o estrabismo pode anular a visão do olho que enxerga menos e provocar grande diferença de refração ou anisometropia. O resultado é o olho preguiçoso ou ambliopia, maior causa de cegueira monocular no país: “A ambliopia só pode ser revertida até a idade de 10 anos. Depois disso não tem cirurgia ou transplante que recupere o olho mais fraco. Por isso, a observação da criança, diagnóstico e tratamento precoces são essenciais”.

Ao contrário do que muitos pensam, o mais grave do estrabismo não é a aparência, mas os efeitos na visão. Os principais, enumerados por Queiroz Neto, são: embaçamento, diplopia ou visão dupla e perda da visão de profundidade que são diagnosticados em um exame de rotina. Quando o desalinhamento é leve o tratamento pode ser feito com uso de óculos ou aplicação de toxina botulínica, o botox. A cirurgia que alinha os músculos responsáveis pelos movimentos dos olhos só é indicada em casos severos da doença.

A terapia mais utilizada para tratar ambliopia é a oclusão do olho de melhor visão para estimular o desenvolvimento do outro. Em casos de diagnóstico na fase inicial também pode ser indicado o colírio de atropina que dilata a pupila do olho de melhor visão para estimular o outro.

Queiroz Neto afirma que a melhor forma de prevenir alterações na visão da criança é através da consulta oftalmológica. A primeira deve ser feita com um ano de idade, a segunda aos 2 anos e uma terceira antes de iniciar o processo de alfabetização. O médico chama a atenção para não expor crianças menores de 2 anos ao celular, conforme preconiza a OMS (Organização Mundial da Saúde), apenas 1 hora dos 2 aos 4 anos e 2 horas entre 5 e 6 anos.

Responder