Edição 308Setembro 2020
Quarta, 21 De Outubro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 244 Maio 2015

Divulgação

Em breve, Guararema terá trem turístico

Maria Fumaça 353: “Velha Senhora” voltará à atividade

Em breve, Guararema terá trem turístico

O interior de São Paulo ganhará opção ferroviária de passeio turístico, no trecho de 5,5 quilômetros, entre as estações Central e Luiz Carlos, em Guararema, no interior do Estado, conforme autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). De acordo com a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) a previsão é que a locomotiva comece a transportar turistas a partir do segundo semestre.

O trecho autorizado pela ANTT fazia parte da antiga linha que ligava o Rio de Janeiro a São Paulo no início do século XX e está localizado próximo a centros emissores de turistas, como as cidades de Mogi das Cruzes e São José dos Campos, além da própria capital paulista. Foram reformados a Maria Fumaça 353, conhecida como “Velha Senhora”, e três vagões de passageiros, que terão capacidade para transportar 130 turistas.

As duas estações que compõem o passeio também foram revitalizadas nos moldes das construções originais. Helio Gazetta, diretor administrativo da ABPF Campinas, afirma que a autorização para o passeio é uma conquista para o turismo e para a preservação da história local: “O passeio percorre uma região de montanhas e rios, que oferece ao visitante a sensação de voltar ao passado, na época das longas viagens de trem”.

Além de Guararema, há mais 24 autorizações para a operação de trens turísticos. Alguns deles contaram com apoio do Ministério do Turismo (MTur) para serem implantados. Só para o de São José do Rio Preto, conhecido como Trem Caipira, a pasta repassou mais de R$ 700 mil. Mesmo desativadas, algumas estações ferroviárias atraem turistas e funcionam como polos culturais. A estação de Joinville, em Santa Catarina, por exemplo, é hoje patrimônio histórico do estado e ponto turístico da cidade. Ela recebeu R$ 220 mil do Ministério do Turismo para reforma e está aberta para visitações, com entrada gratuita.

O MTur já investiu, desde 2004, cerca de R$ 20 milhões na recuperação de estações, implantação de trens turísticos e recuperação de trechos ferroviários, um segmento que ajuda a preservar o patrimônio histórico e movimenta o turismo brasileiro. O uso da malha ferroviária ajuda, ainda, a gerar emprego e renda, promove a integração regional e diminui a ociosidade de trechos ferroviários.

Responder