Edição 271Agosto 2017
Sábado, 23 De Setembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 259 Agosto 2016

Acervo FAMS

Um palácio dedicado ao Patriarca da Independência.

Palácio José Bonifácio foi construído sob influência da arquitetura francesa

Um palácio dedicado ao Patriarca da Independência.

Desde a criação da Prefeitura, em 1908, a cidade de Santos sonhou em possuir uma sede própria para o executivo municipal (ela ficava em imóvel alugado – os Casarões do Valongo – atual Museu Pelé). Muitos foram os projetos criados para tal objetivo. Ao final, coube ao engenheiro Plínio Botelho do Amaral o privilégio de escrever seu nome na história, como o idealizador do prédio, batizado como Palácio José Bonifácio de Andrada e Silva. Elaborado com linhas clássicas, com total influência da arquitetura francesa, a edificação apresenta, internamente, acabamento em mármore italiano e jacarandá, além de lustres de cristal da Bohêmia e vitrais com símbolos relacionados à Maçonaria. O maior destaque do conjunto, a imponente Sala de Sessões da Câmara, foi batizado com o nome da Princesa Isabel, seguindo uma tradição desde 1888. Na inauguração do Paço, ocorrida em 26 de janeiro de 1939, a festa contou com a presença do então presidente do Brasil, Getúlio Vargas.

A edificação é repleta de simbolismos, percebidos quando a observação leva em conta, por exemplo, o passado filosófico e a importância histórica de José Bonifácio.

Na fachada, belíssimos candelabros de ferro e as estátuas de Hermes e Minerva, representando o comércio e a indústria, assim como a sabedoria e a municipalidade, implantadas posteriormente, obra do artista João Batista Ferri. Na parte interna, destaque para os vitrais com identificações técnicas, que apontam a localização dos setores públicos. Neles, nota-se certa relação, que parece ser proposital, de alguns símbolos relacionados à Maçonaria, instituição de grande influência sobre Bonifácio e Dom Pedro I.

Para construir o prédio, a Prefeitura de Santos teve que contrair um empréstimo de grande valor, junto ao Bank of London & South America. O financiamento, de 2.260 milhões de libras esterlinas, foi obtido em 1936 e quitado somente em 2005.

Conheça o trabalho desenvolvido pela Fundação Arquivo e Memória de Santos: acesse o site www.fundasantos.org.br