Edição 287Dezembro 2018
Segunda, 21 De Janeiro De 2019
Editorias

Publicado na Edição 287 Dezembro 2018

Acervo FAMS

O dia em que o “Big Ben” santista parou

Prédio da Western Telegraph, vizinho da Bolsa do Café

O dia em que o “Big Ben” santista parou

Na virada do Século XIX para o XX, os costumes europeus dominavam o dia a dia dos santistas. A força do trabalho pesado provinha dos imigrantes espanhóis e portugueses; a moda, a cultura e a arquitetura tinham forte influência francesa; e os serviços públicos e a pontualidade eram britânicos.

Os ingleses dominavam os principais setores de serviços da cidade: no transporte ferroviário (São Paulo Railway), no transporte urbano, distribuição de água, gás e luz (The City of Santos Improvments) e nas telecomunicações via telégrafo (Western Telegraph). Esta última empresa, aliás, era a responsável pela pontualidade santista até a década de 1970.

Em 1914, os ingleses da Western trouxeram à cidade um exclusivo relógio da marca Gillet & Johnston, que logo foi instalado no alto de uma torre que ficava no telhado do imponente prédio que a companhia mandou erguer no Largo Senador Vergueiro (hoje extinto – vizinho da Bolsa de Café, nos lados do porto). Ajustado ao British Broadcasting Company (BBC), de Londres, e ao Rádio Relógio Federal, do Rio de Janeiro, o equipamento da Western em Santos não falhava um milésimo de segundo e suas badaladas eram a referência dos santistas para suas agendas de compromissos. Não havia quem não ajustasse seus relógios de bolso ao horário britânico do “Big Ben” santista, como ficou conhecido na cidade.

Durante décadas o relógio inglês ajudou a cidade a não se perder na hora. Mas isso durou até o dia 25 de abril de 1973. Exatamente às 12 horas daquele, dia, nenhum segundo a mais ou a menos, o “Big Ben” de Santos foi desativado, deixando saudade.

O prédio da Western foi demolido logo depois, para que fosse alargada a avenida do porto. O relógio foi desmontado e ficou sob a guarda da Companhia Docas, até que foi repassado, em 2010, à Prefeitura. Hoje, o velho “Big Ben” ainda funciona, azeitado, como dizem os mais astutos relojoeiros. E louco pra fazer com que o povo santista novamente possua uma pontualidade britânica.

Conheça o trabalho desenvolvido pela Fundação Arquivo e Memória de Santos: acesse o site www.fundasantos.org.br