Edição 298Novembro 2019
Domingo, 08 De Dezembro De 2019
Editorias

Publicado na Edição 287 Dezembro 2018

Luiz Carlos Ferraz

Alerta aos sintomas da cinomose

Alerta aos sintomas da cinomose

Sintomas podem estar mais ou menos expressos e dependem do sistema afetado

A CINOMOSE é uma enfermidade causada por vírus, altamente contagiosa entre os canídeos, ou seja, cães, lobos e raposas. É uma doença cosmopolita, mas não atinge seres humanos, frisa o médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti. Ela acomete cães em qualquer idade e o índice de mortalidade é grande. Animais jovens e senis são mais sujeitos a enfermidade, embora atinja todas as faixas etárias.

Entre os principais sintomas da cinomose, Eduardo relaciona a febre, diminuição do apetite, letargia, corrimento nasal e/ou ocular, diarreia e/ou vômitos, secura do nariz e coxim plantar, conjuntivite, tremores no corpo (mioclonia), convulsões e paralisia. Estes sintomas podem estar mais ou menos expressos, podendo não existir, tudo depende do sistema afetado, seja o digestivo, respiratório, locomotor, cutâneo, ou nervoso: “A lesão é mais grave quando o vírus ataca o sistema nervoso, pois nesse caso elas são geralmente irreversíveis”.

O tratamento visa aumentar a resistência, fortalecer o organismo e evitar infecções secundárias. Porém, a mais importante defesa é a do próprio organismo, ou seja, depende do sistema imunológico do cão, acrescenta o médico veterinário Celso Filetti: “As vacinas são o único método de proteção para o pet. Se ele já está com a doença de nada adianta vacinar. Aí, temos que tratar”.


POR meio do programa “Quem Cuida, Recolhe”, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Prefeitura de Santos estimula os tutores de cães a usarem os totens que disponibilizam cartuchos de papel para recolhimento das fezes. É errado apenas recolher, embalar e deixar o saquinho embaixo de uma árvore ou num canto. O descarte deve ser feito numa lixeira! O infrator pode ser multado em R$ 150, de acordo com a Lei Complementar nº 831/2014.


O CONSELHO Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou a Resolução nº 1.236, que institui o regulamento para conduta do médico-veterinário e do zootecnista em relação à constatação de crueldade, abuso e maus-tratos aos animais. Objetivo é fortalecer a segurança jurídica, auxiliar os profissionais que atuam em perícias médico-veterinárias, e servir de referência técnica-científica para decisões judiciais relacionadas aos maus-tratos praticados contra animais.

. Maus-tratos são atos ou até omissões que provoquem dor ou sofrimento desnecessários aos animais;

. Crueldade é submeter o animal a maus-tratos de forma intencional e/ou de forma continuada;

. Abuso é qualquer ato intencional que implique no uso despropositado, indevido, excessivo, demasiado, incorreto de animais, causando prejuízos de ordem física e/ou psicológica, incluindo os atos caracterizados como abuso sexual.

O profissional que constatar ou suspeitar a prática de crueldade, abuso ou maus-tratos, deve registrar em prontuário médico, indicando responsável, local, data, fatos e situações, finalizando com assinatura, carimbo e data do documento.