Edição 287Dezembro 2018
Sexta, 14 De Dezembro De 2018
Editorias

Publicado em 31/07/2018 - 8:18 am em | 0 comentários

Divulgação

Tecnologia na terceira idade pode auxiliar na promoção da saúde

Eletrônicos ajudam no treinamento motor e cognitivo de pacientes

Tecnologia na terceira idade pode auxiliar na promoção da saúde

O uso da tecnologia, na forma de jogos de videogame e jogos cognitivos, pode auxiliar no treinamento motor e cognitivo de pacientes com doença de Parkinson, Alzheimer, AVCs com sintomas de perda de sensibilidade e alteração de motricidade, dificuldades de marcha e equilíbrio. “Além disso, permite a leitura de livros, websites, aprendizado mais dinâmico de línguas, treinamento físico, o que pode ser útil na prevenção e no tratamento de doenças neurodegenerativas por meio da estimulação de áreas motoras e cognitivas do córtex cerebral, de vias neurológicas que envolvem o cerebelo, e os núcleos da base do cérebro”, afirma o neurologista Flavio Augusto Sekeff Sallem, do Hospital Villa-Lobos.

Segundo Sallem, os aparelhos e programas que visam somente os estímulos cognitivos, como jogos eletrônicos, jogos virtuais de palavras, óculos de realidade aumentada e realidade virtual, ativam o lobo frontal do cérebro, que é responsável pela atenção; mudança de foco de atenção; memória operacional, planejamento e abstração; as áreas de linguagem – tanto a produção da linguagem localizada no lobo frontal esquerdo, como a compreensão da linguagem falada e escrita, localizada no lobo temporal esquerdo: “Fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais que conhecem como funciona a reabilitação motora e cognitiva podem orientar sobre posturas adequadas e métodos corretos de uso das tecnologias. Esses profissionais avaliam a evolução do paciente e auxiliam o médico na escolha das melhores terapias”.

“Os lobos parietais, posicionados ao lado de cada têmpora (acima das orelhas), são responsáveis pela orientação espacial quando do lado direito; e linguagem, quando do lado esquerdo. Além disso, auxiliam na localização do estímulo; cálculo aproximado do estímulo no espaço digital (no caso de jogos e uso de artifícios tecnológicos); e localização do corpo no espaço em casos de estímulos motores”, acrescenta o neurologista.

Já os lobos occipitais, localizados na parte inferior do cérebro, “veem” um estímulo, calculando altura, profundidade, movimento, cor e outras características dos objetos a serem desenvolvidos nos estímulos cognitivos e motores. “Os núcleos profundos do cérebro, o cerebelo e as áreas motoras no lobo frontal e sensitivas no lobo parietal bilateralmente também são ativados, tanto em processos cognitivos como motores. O cerebelo e núcleos (como o caudato e o globo pálido) auxiliam muito no aprendizado e abstração de qualquer informação. Ou seja, todas as conexões entre os vários lobos e áreas cerebrais são ativadas em cada processo”, diz Sallem.

Ele acrescenta que a tecnologia pode promover um estilo de vida diferente também na forma da medicina ser aplicada e na relação médico-paciente, como:

. Utilização de novas ferramentas mecânicas e digitais que permitem a mensuração mais rápida e precisa de medição de parâmetros clínicos, como glicemia, pressão arterial, frequência cardíaca e outros marcadores sanguíneos de saúde;

. Uso de ferramentas tecnológicas para lembrar o paciente de fazer uso da medicação, além de auxiliar na marcação de consultas médicas, entre outros pontos;

. Permitir o contato direto e mais frequente com o médico por meio de programas de computador e aplicativos de celular;

. Uso do sistema de telemedicina, interligando computadores e câmeras de alta tecnologia, o que agiliza o atendimento hospitalar e serviços de excelência a locais mais remotos ou sem a mesma disposição de especialistas;

. Promoção de mais informações direcionadas ao público leigo por meio de sites, blogs e vídeos; entre outros benefícios.