Edição 273Outubro 2017
Sexta, 24 De Novembro De 2017
Editorias

Publicado em 8/07/2016 - 11:19 am em | 0 comentários

Reprodução

Sociedade Vegetariana Brasileira critica decisão de Jamie Oliver

Sociedade Vegetariana Brasileira: fundada em 2003, promove o vegetarianismo próprio discurso

Sociedade Vegetariana Brasileira critica decisão de Jamie Oliver

“Jamie Oliver, o mundo está desapontado com você. Esperamos que tenha o bom senso de voltar atrás enquanto é tempo”, afirma a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), que divulgou nota oficial contra a decisão do chef que irá protagonizar propaganda da Sadia. Diz a nota, na íntegra:

“Assim como Angélica (autodeclarada “vegetariana”) promovendo embutidos da Perdigão e Roberto Carlos passando vexame ao tentar promover a carne da Friboi, o novo garoto-propaganda da indústria da carne – Jamie Oliver, o idealizador do “Food Revolution Day” e ícone da conscientização alimentar – agora se constrange, desaponta milhões de seguidores e entra em contradição com o seu próprio discurso.

Numa campanha de R$ 50 milhões, a Sadia fechou contrato com o chef mais famoso do mundo como o garoto propaganda de uma linha de congelados que promete ser “saudável”, “gourmet” e “de maior nível de bem-estar animal”.

A Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) acredita na multiplicidade de abordagens e formas de conscientização a respeito da criação industrial de animais para consumo e os imensos impactos negativos que esse setor tem sobre os animais, o meio ambiente, os trabalhadores e a saúde dos consumidores. Mas nenhuma dessas abordagens justifica o endosso a uma empresa como a Brasil Foods, dona da marca Sadia – em troca de promessas de melhorias irrisórias na cadeia produtiva.

Não é possível compatibilizar a educação alimentar de qualidade e o bem-estar nutricional com a promoção de uma marca cujo portfólio promove amplamente o consumo de carnes processadas e embutidos – comprovadamente associados a problemas crônicos de saúde e diversos tipo de câncer, conforme reconhecido pela Organização Mundial de Saúde. Mais difícil ainda se considerado o consumo já excessivo de produtos de origem animal pela população brasileira e suas implicações em termos de saúde pública. Além disso, a carne de frango é, hoje em dia, responsável por grande parte dos casos de contaminação e intoxicação alimentar no Brasil e em outros países.

No Brasil, mais de 5 bilhões de aves são mortas anualmente pela indústria da carne, que tem em um de seus principais expoentes a Brasil Foods. São animais que chegam ao peso adulto em pouco mais de um mês, mas cujos ossos sofrem com o crescimento acelerado artificialmente. São animais transportados por longas distâncias, confinados, e frequentemente mutilados.

Se não bastasse, a empresa com a qual Jamie Oliver está “formando um time” (como ele mesmo descreve) não é apenas uma das principais causadoras dos mais graves impactos ambientais diretos e indiretos, nem apenas a responsável pelo confinamento e matança desnecessária de milhões de animais por dia. Conforme o relatório “Moendo Gente” da Repórter Brasil, a BRF tem também inúmeras condenações por condições degradantes de trabalho, em alguns casos análogas à escravidão – e está entre os frigoríficos brasileiros que têm “dezenas de unidades industriais condenadas na Justiça, interditadas, multadas ou processadas por graves problemas na organização do trabalho”.

Jamie Oliver, o mundo está desapontado com você. Esperamos que tenha o bom senso de voltar atrás enquanto é tempo”.