Edição 304Maio 2020
Quinta, 28 De Maio De 2020
Editorias

Publicado em 20/05/2020 - 7:22 am em | 0 comentários

Divulgação

São Vicente merece mais

Filetti: recuperar o orgulho de ser calunga

São Vicente merece mais

Eduardo Ribeiro Filetti

Olhando para São Vicente, vemos como nosso país começou errado, continua errando e tem pouca perspectiva de melhora. A primeira cidade do país deveria ser exemplo em Habitação, Saúde, Educação, Mobilidade e Turismo, mas está longe disso. O vicentino é o povo mais sofrido da Baixada Santista, por consequência direta das ações nefastas da política.

O calunga é vítima da disputa de poder que transformou São Vicente em palco do que há de pior no país. Enquanto os eleitos se estapeiam em redes sociais e na mídia, pensando primeiro em prejudicar o adversário do que cuidar da população que lhe elegeu, o vicentino sofre com serviço de má qualidade na Saúde, da falta de estrutura das escolas, da fragilidade habitacional e do abandono do turismo local.

Todo ano eleitoral, vereadores e adversários políticos do prefeito de momento passam a atacar com notícias ou mesmo fake news, querendo desestabilizar quem está no poder sem ao menos apresentar saídas, ideias e ações para modificar o status quo que se encontra a cidade. Falta total de compromisso.

O ex-deputado Oswaldo Justo dizia que comparar é decidir, e o vicentino observa Santos e Praia Grande, as duas cidades que são as principais divisas com São Vicente, e constata a olho nu o quanto a falta de gestão social, voltada ao povo, atrasa o desenvolvimento do município.

A Ponte dos Barreiros, que liga a Área Continental com a Ilha de São Vicente é bom exemplo disso. Fechada para a circulação de automóveis há mais de cinco meses, a ponte foi palco infeliz de disputa sobre quem é o responsável por ela, se o município ou o estado, como consequência direta da disputa eleitoral de 2018, quando o estado de São Paulo descobriu a existência de São Vicente. Se não fosse o empenho do presidente Jair Bolsonaro e da deputada federal Rosana Valle, a ponte já teria caído, e não em reforma. Isso mostra o compromisso deles com o povo que os elegeram. Exemplo para lideranças que ficam perdendo tempo trocando farpas e deixando o povo literalmente a pé.

O vicentino merece maior respeito de suas autoridades. Não adianta prometer serviço público “padrão champions league” (sic) e entregar serviço pior que o padrão futebol de várzea.

Soluções para melhora da mobilidade, da Habitação, da Saúde e da Educação existem. Só é necessário que os políticos ouçam os técnicos das áreas e deem condições para que exerçam com isonomia e independência suas atribuições. A política é a arte de liderar. Saber delegar a decisão para quem de fato detêm a sabedoria do assunto e dar condições para que esses técnicos façam seus trabalhos é o segredo.

Não quero aqui apontar dedo para este ou naquele prefeito, vereador, deputado ou mesmo governador. Quero apenas despertar a consciência deles e do povo de São Vicente. É preciso entender que não existe milagre que transforma da noite pro dia uma cidade. Praia Grande é exemplo disso, pois está em transformação há mais de 30 anos de forma ininterrupta.

É preciso dar um start. O começo de uma ação. Recuperar novamente o orgulho de ser calunga, de ser cidadão do berço do nosso amado Brasil, descendente de Martim Afonso de Souza. Ser calunga é valorizar o sangue caiçara que corre em nossas veias. Sou calunga com orgulho e convoco todos a florescer seu amor por São Vicente. É hora de abraçar o principal ativo da primeira cidade do país que é o vicentino. É ele quem faz a cidade.

Eduardo Ribeiro Filetti é médico veterinário, pós-graduado em Saúde Pública e professor titular de Fisiologia Médica na Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Santa Cecília (Unisanta).

Responder