Edição 308Setembro 2020
Sexta, 25 De Setembro De 2020
Editorias

Publicado em 31/08/2020 - 5:48 pm em | 0 comentários

Divulgação

Prevenção ao suicídio é debatida durante o Setembro Amarelo

Setembro Amarelo: uma tentativa de suicídio a cada três segundos no mundo

Prevenção ao suicídio é debatida durante o Setembro Amarelo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que, anualmente, cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio no planeta. Nos últimos 10 anos, a taxa de suicídio cresceu mais de 40% entre os brasileiros de 15 a 29 anos. Na Bahia, os dados apontam que entre 2010 e 2017 foram contabilizados 3.324 casos. Segundo a própria OMS, a maior parte desses casos poderia ser evitada caso as pessoas tivessem recebido ajuda adequada. No contexto atual, no qual as mudanças e dificuldades ocasionadas pela pandemia de Covid-19 acendem um alerta para a saúde mental da população, especialistas já temem que o número de suicídios possa aumentar nos próximos meses.

Ainda cercado de mitos, o assunto tem sido mais debatido nos últimos anos, sendo o mês de setembro dedicado à prevenção e debate sobre o suicídio. Embora falar sobre o tema ainda seja um tabu, psicólogos e psiquiatras apontam que esse é um dos caminhos para ajudar na prevenção. Para colaborar nesse no esclarecimento sobre o problema, a clínica Holiste Psiquiatria promove uma série de lives ao em setembro. Com a campanha “O suicídio não espera setembro chegar. É preciso falar sobre isso em todos os momentos”, a Holiste resgata o sentido original do movimento, que é criar um ambiente para que as pessoas possam conversar sobre o tema em qualquer momento.

No dia 9, a psiquiatra Fabiana Nery discute o tema “Suicídio –Quebrando tabus”; no dia 16, a palestra “Depressão e o suicídio” será ministrada pela psicóloga e Coordenadora do Núcleo de Depressão Resistente da Holiste, Ethel Poll; o “Comportamento suicida infantojuvenil” será a temática abordada pelo psiquiatra Victor Pablo da Silveira, no dia 23; encerrando os debates, no dia 30, a psicóloga e Coordenadora da Residência Terapêutica Holiste, Caroline Severo, fala sobre “O Transtorno Bipolar e o suicídio”. Em função da pandemia, os eventos serão online, sempre às 19 horas, por meio do Instagram @holistepsiquiatria.

“Existe uma percepção equivocada de que falar sobre suicídio irá incentivar as pessoas a fazerem isso, mas o que percebemos é que isso não acontece, entretanto existe a maneira correta para abordar o assunto. Falar sobre isso não vai dar a ideia de cometer suicídio, é exatamente o contrário. O indivíduo que está com pensamentos suicidas vai ficar aliviado em falar sobre isso, e em buscar uma ajuda, uma saída dessa situação. Ao notar alguma mudança de comportamento em um familiar, um amigo, deve-se perguntar, mas sem fazer julgamentos, apenas oferecer ajuda”, indica a psiquiatra Fabiana Nery.

O ato suicida é um fenômeno complexo, que dificilmente é causado por um só fator, mas a estimativa é que 90% dos casos sejam ligados à um transtorno mental, sendo 80% associados diretamente a cinco diagnósticos: Depressão, Transtorno Bipolar, Dependência Química, Esquizofrenia e Transtornos de Personalidade. Isso acontece porque, quando o transtorno mental não é tratado adequadamente, ele pode provocar um sofrimento profundo e sentimentos de desesperança.

“O suicídio é um ato radical, no qual o indivíduo atenta contra a própria vida e decreta uma ruptura definitiva com aquilo que o está fazendo sofrer. É importante entender que este ato é, na maioria das vezes, a única possibilidade que a pessoa encontra para dar fim a dor da sua própria existência. É chegada a hora de falarmos abertamente sobre este tema, dialogando de forma responsável sobre porque a morte se torna a única saída para um sujeito”, explica a psicóloga Ethel Poll.

A psicóloga Caroline Severo aponta que no transtorno bipolar ambas as fases do humor características da doença podem levar a pessoa a cometer o suicídio, ainda que por motivações diferentes. Um quadro agudo de depressão pode apresentar um risco tão grande quanto um quadro agudo de mania, por exemplo.

“O que a gente percebe na mania é que há uma superação de tudo que, possivelmente, foi perdido para ele. Não há mais sentimento de falta, ele está totalmente preenchido, a euforia dá essa sensação de que ele pode tudo, que ele dá conta de tudo, e o quanto, por causa disso, ele se coloca em situações de risco que podem, sim, levar ao ato suicida. Na depressão há uma ruptura no sentido da relação com o próprio eu, e muitas vezes esse sentimento de vazio, de inutilidade, leva a atos extremos como o suicídio”, explica Caroline.

A população juvenil entre 15 e 29 anos é a faixa etária mais atingida pelo suicídio. No caso de crianças e adolescentes, o psiquiatra Victor Pablo da Silveira afirma que sempre existem sinais de que algo não vai bem, de que existe um sofrimento profundo que precisa de atenção e cuidado.

“Se a família e outras pessoas próximas identificam corretamente esses sinais, buscando ajuda especializada, as chances de evitar que o jovem cometa o ato são muito altas. Nos últimos anos, a campanha do Setembro Amarelo vem ganhando visibilidade e força no Brasil. O conhecimento da natureza do suicídio é relevante por ser uma das principais causas de morte e lesões físicas entre jovens. A campanha de prevenção, em diversos países, ajudou pessoas com pensamentos suicidas a serem acolhidas com maior facilidade e teve impacto na redução das mortes juvenis”, acrescenta o psiquiatra.

Responder