Edição 313Fevereiro 2021
Domingo, 28 De Fevereiro De 2021
Editorias

Publicado em 9/02/2021 - 10:16 am em | 0 comentários

Divulgação

Apesar da pandemia, cresce a exportação da piscicultura brasileira

Parceria entre a Embrapa e a Peixe BR

Apesar da pandemia, cresce a exportação da piscicultura brasileira

A piscicultura brasileira apresentou crescimento de 4,4% nas exportações de 2020 em relação ao ano anterior. Mesmo com queda no quarto trimestre do último ano comparando-se com o terceiro trimestre, no acumulado de todo o ano o país exportou mais peixes que em 2019. Esse é um dos dados divulgados em informativo que vem, desde o início de 2020, acompanhando o comércio exterior da piscicultura brasileira.

O trabalho é desenvolvido pela Embrapa Pesca e Aquicultura, em Palmas/TO, em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR). É um dos resultados do projeto “Ações estruturantes e inovação para o fortalecimento das cadeias produtivas da aquicultura no Brasil”, o BRS Aqua.

Quem coordena esse trabalho de acompanhamento das exportações da piscicultura brasileira é Manoel Pedroza, pesquisador da Embrapa Pesca e Aquicultura. Segundo ele, “existe uma tendência de crescimento das exportações da piscicultura nos próximos anos. Desde 2017, as exportações vêm crescendo em taxas superiores a 20% ao ano. A menor taxa de crescimento em 2020 (4,4%) foge do padrão verificado nos últimos quatro anos e tem relação direta com a pandemia do novo coronavírus e seus efeitos”.

Em 2020, o total exportado pelo Brasil envolveu U$ 11,690 milhões. No ano anterior, o volume movimentou U$ 11,197 milhões. A tilápia permanece como a principal espécie exportada, com mais de 88% do volume ao longo de todo o ano passado. Os curimatás e o tambaqui vêm na sequência; juntos, foram responsáveis por quase 10% das exportações.

Com esse indicador, fica claro o destaque da tilápia nas exportações brasileiras de peixe. Assim como ocorre na produção. Manoel explica que “a tilápia respondeu por quase 90% das exportações da piscicultura brasileira em 2020 e é muito provável que essa posição de destaque se mantenha no médio prazo. Apesar de outras espécies nativas, como curimatás, tambaqui e surubins, fazerem parte da pauta de exportações da piscicultura, não há evidências de que essas espécies venham a atingir volumes superiores aos da tilápia nos próximos anos”.

Os Estados Unidos, no último trimestre de 2020, foram o principal destino das exportações brasileiras da piscicultura. Ao todo, mais de U$ 1,44 milhão estiveram envolvidos nessa relação no período. No entanto, esse volume de dinheiro foi 20% menor do que o verificado no trimestre anterior. O segundo maior importador de produtos da piscicultura brasileira, de outubro a dezembro, foi o Chile, que também apresentou queda considerável em reação ao trimestre compreendido entre julho e setembro: 25%.

Especificamente sobre as exportações de tilápia, a principal categoria foi a de filés frescos ou refrigerados, tanto no último trimestre como em todo o ano passado. Mais da metade do que foi exportado dessa espécie correspondeu a tal categoria em ambos os recortes de tempo. E o Mato Grosso do Sul manteve a dianteira entre os estados exportadores, mesmo com queda maior do que 32% no quarto trimestre de 2020 em relação ao terceiro. Confira esses e outros dados em www.embrapa.br/documents/1355321/52258293/informativo+quartro+trimestre+2020/b1541bbf-f3f2-2ed3-7c21-d43b6e5df8d2

O BRS Aqua envolve mais de 20 unidades e cerca de 270 empregados da Embrapa e conta com recursos financeiros de três fontes: o Fundo Tecnológico do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Funtec/Bndes); a Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SAP/Mapa), recurso que está sendo executado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); e a própria Embrapa.

O BRS Aqua é um projeto considerado estruturante, tem ações em várias áreas do conhecimento relacionadas à aquicultura e possui forte caráter de capacitação de recursos humanos especializados. Liderado pela pesquisadora e chefe-adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pesca e Aquicultura Lícia Lundstedt, está dividido em oito grandes temáticas, consideradas projetos componentes. Uma dessas áreas é economia aquícola, à qual está ligado o trabalho publicado. Outro resultado do projeto componente de economia é o Centro de Inteligência e Mercado em Aquicultura (CIAqui), que pode ser acessado em www.embrapa.br/cim-centro-de-inteligencia-e-mercado-em-aquicultura

Responder