Edição 297Outubro 2019
Quarta, 13 De Novembro De 2019
Editorias

Publicado em 31/10/2019 - 7:48 am em | 0 comentários

Divulgação

Adaptação climática é oportunidade para mudanças transformadoras

Cidades devem incorporar os riscos climáticos

Adaptação climática é oportunidade para mudanças transformadoras

Até 2050, dois terços da população mundial viverão em áreas urbanas, as quais enfrentarão os mais graves riscos das mudanças climáticas: elevação do nível do mar, inundações, estresse hídrico e térmico, perda de biodiversidade e outros impactos. Com o crescimento mais rápido ocorrendo nas cidades do Sul global, com grandes populações vulneráveis, é vital que as cidades busquem soluções de adaptação climática que sejam verdadeiramente transformadoras, mudando-as para um crescimento mais equitativo e sustentável, de acordo com uma nova pesquisa do WRI.

“O desenvolvimento urbano que ignorou os riscos climáticos acabou aumentando significativamente a exposição das cidades aos riscos climáticos”, afirma Anjali Mahendra, co-autora do relatório e diretora de pesquisa do WRI Ross Center for Sustainable Cities: “Mas a adaptação urbana bem-sucedida é mais do que apenas resistir a tempestades, inundações e calor; precisamos planejar, fornecer e financiar infraestrutura e serviços essenciais nas cidades de maneira diferente, confiando significativamente em soluções baseadas na natureza e envolvendo mais de perto comunidades vulneráveis”.

O documento, Unlocking the Potential for Transformative Climate Adaptation in Cities, foi lançado na C40 World Mayors Summit in Copenhagen, em Copenhague. Ele faz parte de uma série de documentos encomendados pela Comissão Global de Adaptação para informar seu relatório principal, Adapt Now: A Global Call for Leadership on Climate Resilience, que considera que mudanças em cinco áreas-chave, inclusive nas cidades, podem gerar US$ 7,1 trilhões de benefícios líquidos entre 2020 e 2030. A comissão foi convocada por 20 países e é copresidida pelo 8º Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pelo cofundador da Fundação Bill & Melinda Gates, Bill Gates, e pelo diretor-gerente da International Monetary Fund, Kristalina Georgieva. Já existem mais de 880 milhões de pessoas vivendo em assentamentos informais em todo o mundo, com acesso limitado a abrigo, eletricidade, água potável, saneamento e emprego.

É provável que os impactos climáticos piorem o acesso a esses serviços, especialmente para populações vulneráveis, incluindo mulheres, crianças e idosos, migrantes, populações indígenas e minorias. Somente o aumento do nível do mar e as tempestades podem custar às cidades costeiras US$ 1 trilhão a cada ano em meados do século, afetando mais de 800 milhões de pessoas. Áreas urbanas em regiões secas, onde hoje vivem mais de 2 bilhões de pessoas, enfrentam o aumento do estresse hídrico e da frequência das secas, os quais agravam a insegurança alimentar e de saúde, enquanto os impactos do calor excessivo continuam a aumentar.

“As mudanças relacionadas ao clima podem facilmente ser um novo caminho para um desenvolvimento inclusivo de boa qualidade, que também cumpra os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, disse Sheela Patel, comissária da Comissão Global de Adaptação e presidente da Slum/Shack Dwellers International. “O desafio é produzir novas estratégias e parcerias que incluam os pobres para produzir o novo normal, que ofereça melhor qualidade de vida a todos e melhore a saúde do planeta”.

“A adaptação transformadora reorienta as ações climáticas urbanas em torno dos desafios históricos da equidade e da justiça climática”, acrescentou Eric Chu, principal autor do relatório e professor assistente do Departamento de Ecologia Humana da Universidade da Califórnia, Davis: “Ela se concentra em mudanças sistêmicas no desenvolvimento que melhoram a qualidade de vida das pessoas, melhoram a vibração social e econômica das cidades e garantem futuros urbanos sustentáveis, resilientes e inclusivos”.

O estudo destaca três áreas principais de ação nas quais as cidades podem se concentrar para ajudar a promover uma adaptação urbana transformadora:

1. Integrar as informações sobre riscos climáticos ao planejamento e fornecimento de infraestrutura e serviços urbanos, fortalecendo a capacidade local de agir com base nessas informações. Em Surat, na Índia, o Surat Climate Change Trust está ajudando a coordenar as dezenas de organizações anteriormente responsáveis pela gestão de inundações na cidade, por exemplo.

2. Desenvolver resiliência climática, melhorando as condições de vida em comunidades vulneráveis e assentamentos informais, aproveitando a experiência local e o conhecimento da comunidade. O programa Coalizão Asiática para Ação Comunitária apoiou a atualização liderada pela comunidade em mais de 2.000 comunidades em 207 cidades de 18 países, por exemplo.

3. Priorizar soluções baseadas na natureza para gerenciar holisticamente os riscos de água e calor. Em São Paulo, estima-se que a redução do fluxo de sedimentos gerada pela restauração de 4.000 hectares de florestas perto da bacia hidrográfica da cidade economize US $ 4,5 milhões no custo da dragagem de reservatórios para melhorar a qualidade da água urbana.

Governança coordenada e planejamento integrado por instituições responsáveis são fatores chave para o sucesso. Parcerias entre comunidades, setor privado e sociedade civil em diferentes níveis de tomada de decisão são necessárias para alcançar o progresso nas prioridades de adaptação. A adaptação transformadora permite que as cidades alcancem sinergias em vários objetivos, incluindo o fornecimento de serviços e infraestrutura essenciais (canalizações de água, linhas de esgoto, redes de eletricidade, redes de transporte), mitigação do clima, proteção do ecossistema, crescimento econômico e desenvolvimento sustentável.

“As cidades são uma oportunidade fantástica para fazer a adaptação certa”, frisou Ani Dasgupta, diretora global do WRI Ross Center for Sustainable Cities: “Mas, as cidades devem se adaptar de maneira a corrigir as desigualdades subjacentes. Feita com cuidado, a adaptação transformadora pode colocar as cidades em um caminho mais forte e seguro, que oferece oportunidades e maior qualidade de vida para todos”.

O WRI é uma organização global de pesquisa que abrange mais de 60 países, com escritórios internacionais no Brasil, China, Índia, Indonésia, México e Estados Unidos, escritórios regionais na Etiópia (para a África) e na Holanda (para a Europa) e escritórios de programas na República Democrática do Congo, Turquia e Reino Unido. Nossos mais de 1.000 especialistas e funcionários transformam grandes ideias em ação no nexo entre ambiente, oportunidade econômica e bem-estar humano. Mais em www.wri.org

O WRI Ross Center for Sustainable Cities ajuda a criar áreas urbanas acessíveis, equitativas, saudáveis e resilientes para que as pessoas, empresas e o meio ambiente prosperem. Juntamente com os parceiros, ele favorece cidades mais conectadas, compactas e coordenadas. O Centro expande a experiência em transporte e desenvolvimento urbano da rede Embarq para catalisar soluções inovadoras em outros setores, incluindo água, edifícios, uso da terra e energia. Ele combina a excelência em pesquisa do WRI com 15 anos de impacto local por meio de uma rede de mais de 250 especialistas trabalhando no Brasil, China, Etiópia, Índia, México e Turquia para tornar as cidades do mundo em melhores lugares para se viver. Mais em www.wrirosscities.org