Edição 285Outubro 2018
Sexta, 16 De Novembro De 2018
Editorias

Publicado na Edição 285 Outubro 2018

Fotos Leandro Ayres

Fotografia autoral…

“Passageiros”, ensaio autoral de Leandro Ayres

Fotografia autoral…

Leandro Ayres

FOTOGRAFIA é arte?

A resposta para a pergunta acima não está na qualidade, no conceito ou na estética da foto, mas na sua demanda. Explico. Se, inspirado pelo convidativo dia de céu azul, você sai pelas ruas fotografando as belezas que encontra nas paisagens, nas pessoas, nas situações, nas mensagens e em cada detalhe observado durante o seu flanar para fazer uso pessoal destas imagens, sem demanda prévia de um contratante, você atuou artisticamente. Se a sua arte vai ou não ser bem-sucedida, aí sim, é uma questão de integrar qualidade, conceito e estética. Em resumo, a fotografia autoral é o playground profissional. Ou “futebol moleque”, no jargão esportivo.

Neste segmento, o fotógrafo define um tema e passa a produzir as imagens levando sempre em conta uma narrativa. A fotografia autoral deverá transmitir uma ideia, que deverá ter eco na forma como ela é expressada, constituindo assim uma unidade visual deste trabalho. As imagens deverão conversar entre si, como elos de uma corrente. Conceito e estética deverão estar de mãos dadas para dar vazão à sua ideia. O tema é livre, podendo ser objetivo, quando as imagens falam por si só, sem muita margem para interpretação, ou subjetivo, quando as fotos não se fazem literais, dando margem à interpretação. Para a empreitada funcionar é preciso que o fotógrafo tenha familiaridade com o tema, ou tê-lo estudado bem antes e que possa visitá-lo sempre que quiser ou puder, pois não há um bom trabalho autoral fruto de pouco tempo. “Gênesis”, o mais recente trabalho do icônico fotógrafo mineiro Sebastião Salgado, levou 10 anos para ser concluído, só para citar um exemplo.

É o ramo da fotografia que mais me atrai, pois através do autoral é possível ter um vislumbre da personalidade do profissional e de como ele interage com o tema. Gênios se revelam aqui. Por se tratar de arte, a sua exposição, comercialização ou publicação dependerá de bons contatos com marchands e curadores, pessoas que poderão viabilizar a produção da sua obra em galerias ou demais espaços de arte. Sendo um anônimo, dificilmente você conseguirá fazer fortuna com este trabalho, ainda que bem produzido. Já que também se trata de investimento, os consumidores de arte acabam preferindo nomes consagrados para levarem para casa. “A primazia da matéria sobre o pensamento” do fotógrafo americano Man Ray foi leiloada por cerca de R$ 2 milhões!

Mesmo que este trabalho não seja assim tão rentável é, para mim, o mais prazeroso de se fazer e aquele que mais nos liberta. Com este sexto artigo, encerro a série sobre os ramos da fotografia suspirando e pensando: Ah! Como eu queria viver de trabalho autoral!

SERVIÇO – Studio Photo Café / Museu do Café. Rua XV de Novembro, 95, Centro Histórico de Santos. De terça-feira a sábado, das 9 às 18 horas, e aos domingos, das 10 às 18 horas. (13) 3213.1750.

Leandro: “Ah! Como eu queria viver de trabalho autoral!”

Um vislumbre da personalidade do profissional…

Foto de Man Ray: leiloada por cerca de R$ 2 milhões!