Edição 310Novembro 2020
Domingo, 29 De Novembro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 307 Agosto 2020

Vem, setembro!

Luiz Carlos Ferraz

Desafortunado por natureza, agosto mostrou vigor em grande parte de seus dias e está no páreo no ranking dos meses mais infelizes de 2020 – no momento, liderado por março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o estado da contaminação à pandemia de Covid-19, causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Trata-se de uma tragédia sem precedentes, embora deva ser salientado que foi em dezembro de 2019 que o vírus surgiu na cidade chinesa de Wuhan. Mas agosto é pródigo em desgosto, no Brasil, por uma série de fatos relevantes envolvendo presidentes e ex-presidentes: o suicídio de Getúlio Vargas em 1954, a renúncia de Jânio Quadros em 1961, a morte de Juscelino Kubitschek em 1976, o impeachment de Dilma Rousseff em 2016… No plano internacional, o infortúnio mais relevante refere-se às bombas lançadas contra Hiroshima e Nagasaki, no Japão, em 1945. Agosto de 2020, por ora, será lembrado no calendário de desventuras como o mês em que a pandemia superou a marca de 110 mil mortes no Brasil e 800 mil no planeta; sendo bem provável que chegue a 1 milhão antes que entremos em 2021. Mas não apenas por isso, pois o país tem a contabilizar outras tribulações, sob o patrocínio, por ação e omissão, de um governo sem compromisso social com a saúde, a educação, a cultura, o meio ambiente, enfim, que teima em conduzir uma pauta viciada por interesses menores. A catástrofe ambiental neste agosto já destruiu pelo fogo 10% do pantanal mato-grossense, algo em torno de 17 mil quilômetros quadrados; e continua de forma sistemática dizimando a floresta amazônica. As perdas na flora e na fauna, com a redução de espécies, são fantásticas! Tanta desgraça não impedirá que setembro traga a Primavera!

Responder