Edição 273Outubro 2017
Domingo, 19 De Novembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 273 Outubro 2017

Consumidores trocam de operadora de telefonia fixa e móvel…

Consumidores trocam de operadora de telefonia fixa e móvel…

Impulsionada pela qualidade (?) dos serviços prestados, consumidores do Estado de São Paulo trocaram em nove anos, completados em setembro, quase 13 milhões de vezes de operadora de telefonia fixa e móvel sem alteração do número do telefone. No mesmo período, o país registrou cerca de 40 milhões de transferências. Segundo relatório da Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABRTelecom), considerando apenas o terceiro trimestre deste ano, de julho a setembro, foi concluída 1,61 milhão de trocas de operadoras, sendo 387,86 mil (24%) por usuários de terminais fixos e 1,22 milhão (76%) por titulares de telefones móveis.


 

O consumidor de Santos a partir de 16 anos pode aumentar seu poder de compra em até 30%, por meio do programa cooperativo Ekko, que envolve 40 estabelecimentos comerciais na cidade. Para usar o sistema, é preciso fazer o download do aplicativo nas lojas Google Play e Apple Store e fazer cadastro gratuito. Imediatamente ganhará 200 Ekkos, uma unidade de economia igual ou equivalente a R$ 200, para ser utilizada nos estabelecimentos parceiros.


 

As fraudes com cartões de débito e crédito podem ser prevenidas, afirma Iremar Brayner, líder de risco da iZettle no Brasil. Ele esclarece que o fraudador não precisa saber a senha do cartão para aplicar o golpe e que a rapidez com que a fraude é denunciada pode fazer toda a diferença. Também não basta apenas contestar os gastos junto à operadora: a polícia precisa ser avisada. Iremar orienta o usuário para suspeitar das atualizações de dados por e-mail e diz que o fraudador é descoberto quando há mudança de hábitos.


 

Justiça do Guarujá recebeu denúncia do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) contra 11 pessoas acusadas de integrarem associação criminosa e de praticarem crimes contra a ordem econômica. Os denunciados estão vinculados ao Sindicato dos Transportadores Autônomos de Containers de Guarujá, Santos e Região (Sindcon), Associação dos Trabalhadores Autônomos de Containers (ATAC) e Associação dos Caminhoneiros Autônomos do Guarujá (Associajá), que atuavam ameaçando empresários do ramo de transportes, motoristas autônomos e dirigentes de outras associações, inclusive praticando atos de violência, com o objetivo de dominação completa do mercado. Os réus foram afastados dos cargos de direção que ocupam nas entidades e foram proibidos de participar em reuniões (dentro ou fora das entidades) e em manifestações, protestos ou reivindicações promovidas pelas organizações.

CARTAS para esta coluna: Jornal Perspectiva, Consumidor & Cidadania, e-mail: redacao@jornalperspectiva.com.br