Edição 287Dezembro 2018
Sexta, 14 De Dezembro De 2018
Editorias

Publicado na Edição 278 Março 2018

Divulgação

Tratando da dor física

Atenção também aos aspectos emocionais da dor...

Tratando da dor física

Quando se fala de dor crônica, aquela que perdura por mais de três meses, geralmente a vida toda sem cura ou com tratamentos paliativos, como as pessoas que desenvolvem neuropatias diabéticas, artrites e artroses, fibromialgia, entre outras doenças, é comum estabelecer a sua relação com fatores emocionais, visto o impacto nos relacionamentos e funções gerados ao longo dos anos em quem é obrigado a conviver com ela.

Como explica o neurocirurgião especialista em dor pela Associação Médica Brasileira (AMB), Claudio Corrêa, “cada indivíduo pode tolerar e expressar a sua dor física de diferentes maneiras e com diferentes intensidades, o que não diminui a importância da dor de cada um, mas é fato já documentado na literatura médica que, no decorrer de tanto tempo convivendo com uma dor crônica, o indivíduo irá desencadear sintomas de ansiedade, tristeza e depressão, irritabilidade e angústia, diante das crises, que são justificáveis dentro do seu quadro geral. Mas, o inverso também ocorre, ou seja, de situações de grande tensão emocional, como estresse e perdas diversas agirem como gatilho para o desencadeamento de crises dolorosas em pessoas com dor crônica”.

A dor interfere até mesmo na economia de um país, tanto pelo absenteísmo e baixa produtividade no trabalho quanto pelos gastos para seu tratamento, que deve ser multidisciplinar e multiprofissional, integrando corpo e mente, com reabilitação funcional de todos os aspectos do paciente. E é um direito do paciente: “Sentir dor pode ser comum, mas não é normal, por isso é importante pedir ajuda e ser aderente a um tratamento global e efetivo”, diz o especialista.