Edição 294Julho 2019
Quarta, 21 De Agosto De 2019
Editorias

Publicado na Edição 292 Maio 2019

Infecção urinária

A infecção urinária também afeta a saúde do homem. O professor do setor de uro-oncologia da Faculdade de Medicina do ABC, Marcos Tobias Machado, afirma que a infecção urinária é caracterizada pela presença de alguma bactéria ou fungo no trato urinário. Ele esclarece pontos dos sintomas, diagnósticos e tratamentos sobre a doença.

Quais os principais tipos? No homem, os principais sítios de infecção são a uretra, a próstata e o rim.

Existe maior incidência com a idade? Em todas as faixas etárias pode haver o desenvolvimento de infecção urinária. O que muda são os fatores causais. Nas crianças, anomalias congênitas como hidronefrose ou refluxo são as principais causas. Nos adultos jovens, a presença de atividade sexual predispõe ao quadro. Nos idosos, alterações do envelhecimento associadas a doenças da próstata são os fatores mais importantes.

Quais são os sintomas? A presença de sintomas depende dos órgãos comprometidos. No caso de uretrite, os principais sintomas são o ardor ao urinar e a eliminação de secreção pela uretra. Nos casos de prostatite os sintomas de irritação do trato urinário inferior com dor ao urinar, urinar várias vezes ao dia, jato urinário intermitente, associado a sintomas de desconforto perineal, escrotal e ejaculatório sao os sintomas mais frequentes. Quando a infecção é proveniente dos rins, além dos sintomas urinários podem ocorrer dor lombar e febre.

Há fatores de riscos? Nos casos de uretrite a causa é sempre um contágio através de relação sexual sem proteção. Para os casos de prostatite, a causa normalmente é a invasão de um germe por via uretral, que acaba se desenvolvendo na próstata como reservatório. Mais raramente a prostatite aguda pode acontecer devido a um germe proveniente de um foco infeccioso, como, por exemplo, um abscesso dentário, que circula no sangue e penetra na próstata. Nos casos de infecção renal normalmente existe alguma anomalia renal de dificuldade de drenagem da urina ou a presença de cálculo renal infectado.

É possível evitá-la? De que forma? Sexo com proteção e higiene genital após a relação sexual são medidas preventivas em alguns casos. Fazer exames regulares para detecção de algum fator de risco também ajuda a detectar e tratar doenças urológicas, que predispõem a infecção urinária.

Quais tipos de exames a detectam? O exame de urina tipo I, ou urinálise, é o exame de triagem que detecta o aumento dos glóbulos brancos na urina e eventualmente a presença de nitrito. Esses achados sugerem fortemente a presença de infecção urinária. O exame de certeza é a urocultura, onde é possível isolar o germe responsável pela infecção, que informa também sobre a sensibilidade antibiótica do germe através do antibiograma. Exames de imagem como ultrassonografia, tomografia e ressonância magnética são úteis para investigação das condições causais que devem ser tratadas.

Quais podem ser os tratamentos indicados? O tratamento inclui uso de antibióticos depois do fator causal.

No homem, também existe infecção urinária de repetição? Caso o fator causal não seja removido, como a extração de um cálculo ou a drenagem adequada da bexiga através de sondas ou cirurgia, a infecção urinária pode retornar e até agravar o estado clínico do paciente.

Existe alguma diferença entre a infecção urinária entre homens e mulheres? Se sim, qual? A infecção urinária na mulher pode ter ou não um fator anatômico causal. Em casos onde não existe, sabemos que, devido a proximidade da uretra e do ânus, algumas bactérias que têm fatores de adesão ao epitélio dos órgãos urinários podem invadir a bexiga ou eventualmente subir até o rim, causando pielonefrite aguda.