Edição 308Setembro 2020
Quarta, 21 De Outubro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 257 Junho 2016

Divulgação

Atenção, fumantes e ex-fumantes!

Hoje não se recomenda a radiografia dos pulmões...

Atenção, fumantes e ex-fumantes!

Conforme as novas diretrizes para a realização anual da tomografia computadorizada (TC) dos pulmões, o público-alvo são adultos com idade entre 55 e 74 anos e alto risco para câncer de pulmão. Publicadas no jornal da Associação Médica do Canadá, as novas orientações se aplicam principalmente para quem fuma ou deixou de fumar até 15 anos atrás, quem fumou um maço de cigarros por dia nos últimos 30 anos ou dois maços por dia nos últimos 15 anos. Para todos os outros adultos, esse não é um exame de rotina para diagnosticar precocemente uma lesão no pulmão.

As novas diretrizes diferem daquelas lançadas pela mesma entidade em 2003 – quando não se indicava a realização de TC para adultos assintomáticos que tiveram diagnóstico inconclusivo com um raio-X dos pulmões. Ao contrário daquela época, em que se considerava desnecessário submeter o paciente à radiação de uma TC de baixa dose, hoje em dia o que não se recomenda é a radiografia dos pulmões.

As orientações têm como base um estudo realizado nos Estados Unidos que relata redução de 20% nas taxas de mortalidade por esse tipo de câncer ao realizar uma TC de baixa dose em indivíduos de alto risco. Numa abordagem conservadora, a força-tarefa canadense realiza três exames consecutivos anuais em vez de uma ou duas vezes ao ano – sugerindo que não há evidências sobre o intervalo ideal entre os exames preventivos. No Canadá, o câncer de pulmão teve 26 mil novos diagnósticos em 2015, matando mais do que outros tipos de câncer, como mama, próstata e colorretal.

No Brasil, dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) preveem mais de 28 mil novos casos da doença em 2016, acometendo cerca de 17 mil homens e 11 mil mulheres. De acordo com Claudio Ramos, diretor da Cedimagem, a rede de diagnósticos por imagem com forte atuação em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, a TC deve ser realizada em pacientes com histórico de tabagismo pesado, mas cabe ao médico tomar essa decisão juntamente com o paciente, tendo em consideração outros fatores relacionados ao contexto clínico. Com larga experiência de análise desse tipo de exame, Ramos afirma que a TC é um exame bastante eficiente não apenas na detecção, mas no acompanhamento da doença.

De acordo com o especialista, o exame possibilita uma visão em fatias milimétricas de todo o pulmão, permitindo detectar e medir as dimensões de um nódulo, sua posição e relação com as demais estruturas ao redor.

Responder