Edição 308Setembro 2020
Quarta, 21 De Outubro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 308 Setembro 2020

Alerta para a proliferação da catapora

A Primavera esconde um vilão: a proliferação de vírus e bactérias que causam diferentes doenças, como roséola, eritema infeccioso, escarlatina e a temida catapora. Estudos mostram que no Brasil, entre os meses de setembro e outubro, há um aumento nos casos de varicela, ou catapora, como é conhecida. A varicela é causada pelo vírus Varicela-Zoster. No Brasil apenas 10% da população com mais de 25 anos de idade não teve a doença.

A varicela costuma apresentar um curso benigno, mas em adultos tem um maior potencial de letalidade, que pode ser até 40 vezes maior do que em crianças. Geralmente se manifesta com queixas gerais, como febre, dor de cabeça, mal estar geral e as características lesões de pele que aparecem como uma mácula avermelhada e evoluem para vesículas. Pode-se observar lesões em diferentes fases em todo o corpo. “É muito importante procurar atendimento médico já no início dos sintomas para obter as orientações quanto ao isolamento, cuidados gerais e terapêutica, mas também para a detecção precoce de complicações, que possam ocorrer”, alerta a pediatra Silvana Fahel, do Grupo Sabin, ao frisar que a catapora é altamente contagiosa.

A vacina varicela zoster é a melhor forma de se evitar a catapora, afirma e infectologista Ana Rosa Santos, gerente de imunizações do Grupo Sabin. O esquema de vacinação começa aos 12 meses de vida, com duas doses com intervalo de três meses. Em situações de risco, como surto em escolas, deve-se realizar a vacina a partir de nove meses de idade. Para as crianças que fizerem a vacina precocemente, nas situações de surto o esquema vacinal aos 12 meses de duas doses deverá ser mantido: “Todas as crianças, adolescentes e adultos suscetíveis (que não tiveram catapora) devem ser vacinados e, pode-se também fazer a vacinação pós-exposição, até 72 horas após o primeiro contato com uma pessoa doente”.

Responder