Edição 271Agosto 2017
Quinta, 21 De Setembro De 2017
Editorias

Publicado em 7/07/2017 - 8:33 am em | 0 comentários

Haroldo Palo Jr./Divulgação

Inscrições abertas a projetos ambientais que buscam apoio financeiro

Parque Nacional de Anavilhanas, Amazonas: propostas são aceitas até 31 de agosto

Inscrições abertas a projetos ambientais que buscam apoio financeiro

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza abriu as inscrições para a segunda chamada de 2017 de seu “Programa de Apoio a Ações de Conservação”. Para essa edição, é possível concorrer em três categorias: “Apoio a Programas”, com abrangência nacional; “Biodiversidade do Paraná”, focado na natureza paranaense; e “Apoio a Projetos”, destinado a áreas úmidas. As inscrições ficam abertas até 31 de agosto no site da instituição.

“Por meio desse apoio, buscamos potencializar a geração de conhecimento sobre a biodiversidade brasileira, além de estimular aplicações práticas que promovam a sua conservação e que complementem os esforços públicos”, afirma Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário. Ela explica que, ao longo de seus 26 anos, a instituição consolidou-se como uma das principais da iniciativa privada brasileira a apoiar projetos de conservação da natureza. Desde 1990, 1.510 iniciativas de 501 instituições receberam apoio financeiro, contribuindo para a descrição de 150 espécies, para o estudo de outras 246 espécies ameaçadas e beneficiando 496 unidades de conservação.

O “Apoio a Programas” abrange iniciativas realizadas em todo o Brasil, de média e longa duração (até quatro anos), que possibilitem ações de conservação da natureza de maior magnitude e que demandem mais tempo para aplicação.

O Edital “Biodiversidade do Paraná”, criado em parceria com a Fundação Araucária, seleciona propostas a serem executadas em qualquer região paranaense, como por exemplo, a área de ocorrência da Floresta com Araucárias, ecossistema característico da Mata Atlântica.

Nesta chamada do segundo semestre de 2017, a categoria “Apoio a Projetos” seleciona iniciativas que contribuam para a conservação das Áreas Úmidas – que representam cerca de 20% do território brasileiro e englobam ecossistemas tanto marinho e costeiros quanto continentais, abrigando uma grande variedade de ambientes e espécies.

Mais especificamente, o edital “Apoio a Projetos” contempla o Bioma Pantanal, considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta; os 20 Sítios Ramsar nacionais, que são áreas úmidas de importância mundial, a exemplo do Parque Nacional de Anavilhanas (AM) e da Estação Ecológica do Taim (RS); além de baías e estuários e locais de menor abrangência geográfica com influências fluviais e fluviomarinhas, áreas alagadas, lacustres e charcos.

Segundo Malu Nunes, gerar conhecimento sobre a biodiversidade do Pantanal e das demais áreas úmidas e promover a sua conservação é importante inclusive para a economia e qualidade de vida dos brasileiros: “Isso porque as áreas úmidas regulam o regime hídrico de vastas regiões atendendo a necessidades de água e alimentação, e também auxiliam nossa sociedade a lidar com eventos climáticos extremos – a exemplo das formações pioneiras costeiras que reduzem o impacto das grandes ondas de ressacas sobre as cidades litorâneas”.

Para concorrer em qualquer uma das três categorias, é preciso que as propostas atendam a uma das quatro linhas temáticas de apoio. A primeira trata de “Unidades de Conservação de Proteção Integral e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs)” e tem como objetivo a criação, ampliação e execução de atividades prioritárias de seus Planos de Manejo (documentos oficiais de planejamento das unidades de conservação).

A segunda linha visa a execução de ações prioritárias para espécies ameaçadas, seguindo os Planos de Ação Nacional (PANs), documentos que elencam ações prioritárias para conservação de determinadas espécies e ecossistemas, além de ações emergenciais para espécies sem PANs e enquadramento de espécies em listas de ameaças.

A terceira, “Ambientes Marinhos”, é voltada para estudos, ações e ferramentas para a proteção e redução de pressão sobre a biodiversidade marinha.

Já a linha “Políticas Públicas”, que é exclusiva para “Apoio a Programas”, visa à implementação e fortalecimento de incentivos para conservação da natureza, instrumentos legais para fiscalização e proteção da biodiversidade, consolidação de áreas protegidas e parcerias para conservação.

Podem se inscrever nas três categorias do Programa de Apoio a Ações de Conservação da Fundação Grupo Boticário instituições sem fins lucrativos, como fundações ligadas a universidades e organizações não governamentais (ONGs).

Para a categoria “Biodiversidade do Paraná”, instituições privadas e públicas também podem se candidatar, por meio do site da Fundação Araucária em www.fappr.pr.gov.br

Dúvidas podem ser encaminhadas por e-mail para edital@fundacaogrupoboticario.org.br

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.510 projetos de 501 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país. Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis. Na internet: www.fundacaogrupoboticario.org.br