Edição 275Dezembro 2017
Segunda, 18 De Dezembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 254 Março 2016

Coragem, STF!

Luiz Carlos Ferraz

A intolerância talvez seja o pior dos vícios, pois ao repelir qualquer tipo de análise, seja a racional, seja a emocional, ela não admite o diálogo, muito menos o debate, impedindo que seja articulada a mínima reflexão sobre o objeto em estudo. O intolerante é um ser completamente cego, mergulhado em sua verdade, e – não só por não ver como também por não ouvir, sendo, portanto, surdo – mantém-se avesso a qualquer versão ou alegação que vá na contramão da sua. Ele está certo, e só ele, e todos os demais estão errados, inclusive eu e você. Falar com o intolerante é como dirigir-se a uma porta e discutir com ele é ainda mais arriscado, pois no afã de fazer com que sua posição prevaleça poderá adotar algum tipo de violência… No mínimo, se o tipo for seu amigo, a amizade sucumbirá – pois sua convicção, ainda que flagrantemente equivocada, jamais será alterada. Nestes dias de intolerância zero, em que o governo federal não admite a renúncia, repudia o impeachment e alerta que não admitirá golpe, a oposição sonha com a renúncia, acredita no impeachment e só enxerga como única saída simplesmente defenestrar do cargo a presidenta eleita pelo povo. Polarizado o país, aparentemente sem a possibilidade de um pacto, o que se espera é a ação corajosa do Supremo Tribunal Federal (STF), a quem cabe fazer cumprir a Constituição Federal, para que, aconteça o que acontecer, o Estado Democrático de Direito garanta o devido processo legal e justa punição a todos os envolvidos nos escândalos de corrupção que envergonham o Brasil.