Edição 275Dezembro 2017
Domingo, 17 De Dezembro De 2017
Editorias

Publicado na Edição 274 Novembro 2017

Divulgação

Arritmia pode levar à morte súbita

No Brasil, estima-se ocorrer mais de 300 mil casos/ano

Arritmia pode levar à morte súbita

Cansaço, palpitações, desmaios e tonturas, confusão mental, falta de ar, pressão baixa e dor no peito podem ser indícios de arritmia cardíaca. Nesse momento, quando o coração demonstra que está “fora do compasso”, é necessário buscar tratamento com um cardiologista ou mesmo um arritmólogo – cardiologista especialista em arritmia.

A Rede D’Or São Luiz, de São Paulo, dispõe de serviço especializado no diagnóstico e tratamento das arritmias cardíacas e centro de avaliação de dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis. Equipe especializada está à disposição para atender os pacientes com estudo eletrofisiológico, ablação com rádio frequência ou crioablação e dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis.

A arritmia é uma alteração no ritmo normal do coração que produz frequências cardíacas velozes, lentas e/ou irregulares. Nos batimentos acelerados (mais de 100 por minuto), o problema é chamado de taquicardia. Já nos lentos (menos de 60), de bradicardia. Para identificar a doença é necessário fazer uma série de exames, e a maioria só pode ser realizada em hospitais.

A doença, algumas vezes, pode não apresentar sintomas prévios e o primeiro sinal de que algo esta errado com o nosso corpo, conhecido popularmente como morte súbita, pode ser fatal. No Brasil, dados apontam que por ano ocorrem mais de 300 mil casos de morte súbita por doenças cardiovasculares, destes, 250 mil provocados por arritmias cardíacas.