Edição 281Junho 2018
Sexta, 20 De Julho De 2018
Editorias

Publicado na Edição 276 Janeiro 2018

Benefícios dos jardins verticais

“Áreas arborizadas em grandes metrópoles são raras, geralmente restritas a bairros nobres ou de reserva. Entretanto, sobretudo em épocas mais quentes, como janeiro, essas áreas fazem muita falta. Isso porque o clima dessas regiões foi severamente afetado pela urbanização, e quem paga pela ausência de verde é a população”.

A avaliação é do engenheiro civil Danny Braz, para quem uma alternativa tem sido utilizar as fachadas cegas de prédios (lado liso de prédios mais antigos), murais, corredores, entre outros espaços vagos na própria estrutura predial da cidade, para construir jardins verticais. “O potencial de rearborização, devolvendo o verde ao cenário urbano é imenso, e em diversos aspectos que vão além do calor”, afirma Braz, que é consultor e diretor da Regatec.

Entre os benefícios desse tipo de jardim, ele cita a beleza natural. Além disso, esses jardins produzem mais oxigênio, limpam o ar de gases tóxicos típicos de cidades e proporcionam um ambiente que é necessário à vida humana.

Para quem sofre de rinite, sinusite, ou qualquer outra doença ligada à respiração sente e compreende a diferença que faz um ar mais úmido. “As plantas naturalmente umidificam o ar, pois liberam água de seus processos respiratórios naturais, mantendo o ar menos seco, sobretudo em dias muito quentes de Verão”, diz ele, salientando ainda o efeito acústico dos jardins verticais e a redução da temperatura no entorno: “O mais interessante desses jardins é que eles são plenamente sustentáveis. Seus sistemas de irrigação se utilizam de água da chuva para se alimentar de maneira inteligente, impedindo que o jardim seja um gasto financeiro e de tempo”.