Edição 353Junho 2024
Sábado, 22 De Junho De 2024
Editorias

Publicado na Edição 352 Maio 2024

Divulgação

Otimismo no mercado

País produziu 2,35 milhões de unidades em 2023

Otimismo no mercado

Nelson Tucci

O que esperar do mercado automotivo brasileiro em termos de desempenho para este ano? A expectativa é que sejam produzidos 3 milhões de automóveis, suportados pelos investimentos de R$ 76 bilhões, soma do anúncio de oito montadoras nestes primeiros meses de 2024. Esbanjando otimismo, o presidente da República vai além e diz acreditar em 3,8 milhões de unidades até o fim do ano. A conferir.

Todos sabem que o mercado de automóveis no Brasil é vigoroso e que poderia ser muito, mas muito melhor se a renda da população fosse decentemente distribuída e turbinada. Exemplo: a renda per capta média é de US$ 10 mil hoje, enquanto a média francesa é quase quatro vezes maior e a norte-americana sete. No Brasil há uma concentração excessiva de riqueza, privilegiando 5% da população (cerca de 11 milhões de pessoas aptas ao consumo, contra 193 milhões só na janelinha esperando a vez).

A Fenabrave, federação das distribuidoras de veículos, aposta em crescimento de 12% este ano. Em 2023 o país fechou o período com 2,35 milhões de unidades produzidas (1,9% menos que o ano anterior, 2022) e, por isso, abre espaço para um crescimento em 2024. A oferta de crédito (com a queda da taxa Selic – lenta, mas em queda) ajuda bem as projeções de crescimento.

Mas é preciso, antes da confirmação, combinar com São Pedro e com os chineses. As chuvas que provocaram o maior desastre da história do Rio Grande do Sul vão impactar os números; talvez pouca coisa, mas vão refletir, porque o estado produz cerca de 9% do total nacional e os outros estados estão trabalhando para compensar esta perda.

Sobre os chineses, que exportam elétricos a rodo, e parte dos híbridos, deverão sentir o aumento de imposto de importação brasileiro, no segundo semestre, que saltará de 10% para 18% no próximo mês de julho (e de 25% a partir de julho de 2025). Como chinês não é bobo, as exportações daquele país para o Brasil registraram um aumento de 372,4% no primeiro quadrimestre deste ano, totalizaram volume de negociação de US$ 762 milhões. Estão formando um bom estoque, portanto, mitigando os riscos da perda de vendas de seus produtos.

Nelson Tucci é jornalista, editor de Veículos & Negócios, toda segunda-feira também em www.veiculosenegocios.blogspot.com.br

Responder