Edição 353Junho 2024
Segunda, 24 De Junho De 2024
Editorias

Publicado na Edição 350 Março 2024

Divulgação

Retrofit com certificação

Citas República: investimento da Jive e parceria da Citas

Retrofit com certificação

O Citas República, no 497 da Praça da República, na capital paulista, é o primeiro residencial alvo de projeto de retrofit a obter o certificado sustentável EDGE, Excellence in Design for Greater Efficiencies. Criado pela International Finance Corporation (IFC), o selo atesta que o edifício adota soluções mais eficientes, de acordo com padrões internacionais. Localizado na Praça da República, ele foi reestruturado pela Citas, em parceria com a Jive Investments. Como se sabe, os projetos de retrofit geram valores relevantes em recursos básicos, como água e energia, e economia financeira para manter um funcionamento saudável. Isso traz benefícios para o gestor do ativo, bem como para o planeta com um impacto muito positivo para toda a sociedade, de forma financeira e ambiental.

“A Jive investe em retrofit desde 2020 e segue a tese em entregar projetos que agregam valor, estão alinhados à prática ESG, e impactam positivamente as regiões”, comentou a head comercial da empresa, Juliana Arruda: “A ideia é fomentar o desenvolvimento do entorno desses edifícios e oferecer opções mais rentáveis e atrativas para os investidores”.

No caso do Citas República, houve rigoroso processo em relação ao consumo de recursos naturais, garantindo redução mínima de 20% nas despesas com energia e água, devido a utilização de medidas simples, como inclusão de louças, metais e chuveiros com baixo consumo de água, uso de lâmpadas de LED, sensores de presença e pintura das fachadas com tinta reflexiva. Com menos carbono incorporado, o projeto tornou-se mais sustentável em comparação às construções convencionais.

Além disso, o retrofit possibilitou reutilizar parte das estruturas existentes e em bom estado de conservação, o que gerou uma economia de 70% no consumo de materiais quando comparado à construção de um edifício novo. Destaca-se, principalmente, o reaproveitamento de materiais, já que as estruturas foram mantidas, as esquadrias reformadas, reaproveitando 60% dos pisos existentes e a preservação dos acabamentos nos halls dos elevadores.

“Projetados para funcionar por décadas, os edifícios são um ativo importante na economia e sustentabilidade da cidade, e o nosso compromisso está em colocar essas questões no centro das tomadas de decisões dos projetos”, afirmou Isadora Rebouças, CEO da Citas: “O retrofit do residencial é um marco na integração de práticas sustentáveis com a revitalização urbana, servindo como exemplo inspirador para futuros projetos em São Paulo”.

Projetado na década de 50 pelo arquiteto Jacques Pilon, o retrofit compreende 11.300 m² requalificados para o uso de moradia, disponibilizando 283 unidades habitacionais, completamente mobiliadas e equipadas. A restauração do empreendimento integra o Programa Requalifica Centro, da Prefeitura de São Paulo, que promove a reutilização de prédios antigos na região central, resgatando seu atrativo para investimentos imobiliários. A iniciativa foi financiada por doação do governo do Japão, dentro de programa de apoio à moradia para a população em situação de refúgio, uma parceria da Citas com a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) e a IFC. O programa contou com unidades no prédio para locação exclusiva a refugiados e um curso de capacitação de mão de obra em marcenaria a 17 participantes provenientes de Angola, Colômbia, Cuba, Marrocos e Venezuela. Dentre esses profissionais, foi montada uma marcenaria dentro do próprio edifício, comandada por quatro marceneiros qualificados pelo programa.

Responder