Edição 353Junho 2024
Sexta, 19 De Julho De 2024
Editorias

Publicado na Edição 340 Maio 2023

Eduardo Pozella/Divulgação

Toque cristalino dos vidros

Projeto arquitetônico de Gigi Gorenstein: tipos diferentes de vidro

Toque cristalino dos vidros

Versáteis nos projetos arquitetônicos, os vidros são itens que combinam com todo tipo de estilo decorativo e são acompanhados por inúmeros benefícios, com variados modelos, tamanhos, cores e formatos disponíveis no mercado. “Faz-se necessário conhecer os tipos de vidro para acertar na hora de escolher”, alerta a arquiteta Gigi Gorenstein: “O vidro da sacada não é o mesmo que atenderá as especificidades do vidro do box de banheiro e nem será o mesmo de um tampo de mesa de jantar”.

A profissional listou alguns tipos de vidros e dicas de uso. Presente em sacadas, fachadas, esquadrias, mobília e objetos decorativos, os vidros são encontrados em projetos tanto residenciais, como corporativos. Dentre as principais vantagens, a arquiteta destaca que a escolha do modelo pode favorecer a iluminação natural, integrar ambientes, garantir conforto térmico e isolamento acústico, além de tornar os ambientes mais elegantes e refinados.

“Acredito que o vidro é um item atemporal, então ele nunca vai sair de moda e saber incorporar no projeto faz toda a diferença no ambiente. Amplamente, os vidros são ótimas opções para trazer leveza, fluidez e privacidade aos espaços. Na decoração, o vidro pode proteger objetos, como quadros e prateleiras, ou colocá-los sobre mesas”, acrescenta Gigi.

Vidro temperado. Parecido com o vidro padrão, o temperado é, cerca de cinco vezes, mais resistente à quebra e choques térmicos. “Quando acontece de partir, o material se estilhaça em pequenos pedaços sem grande poder de cortes, diferente do vidro normal, que se fragmenta em grandes lâminas. Por isso, é considerado um vidro altamente seguro, pois evita acidentes graves”, diz a profissional. E por essas características, é um vidro para ser utilizado em box de banho, sacadas, portas e janelas.

Vidro laminado. O tipo laminado também é considerado um seguro por ser muito resistente a impactos e proporcionar ótimo isolamento acústico e proteção aos raios ultravioletas. Gigi explica que isso se dá devido à composição das placas de vidro unidas por uma película especial de polivinil butiral, responsável por impedir o estilhaçamento do vidro em caso de quebra. O laminado é indicado para locais semelhantes ao do temperado e é empregado também em claraboias, guarda-corpos, coberturas e vitrines.

Vidro duplo. Mais voltado para locais que precisam de um bom isolamento térmico e acústico, como hospitais e hotéis. Para as residências, é o queridinho contra o clima de inverno, pela característica térmica e por não embaçar. Esse modelo consiste em duas lâminas de vidro, contornadas por um perfil de alumínio com uma camada interna de ar desidratado.

Vidro impresso. Mais voltado para a decoração, esse tipo é perfeito para móveis planejados como armários, mesas, cristaleiras e etc. “O resultado trará muita personalidade e inovação no lar. Fizemos um projeto com uma cristaleira de vidro que se transformou no destaque da sala de jantar”. O tipo impresso também é um vidro que permite desenhos em alto relevo e padrões, então são bastante recomendados para ambientes internos, janelas e vidraças.

Vidro refletivo. Material de melhor reflexão de raios solares, evita a absorção de calor e oculta a visualização dos interiores. “É um vidro que provê mais privacidade e é indicado para fachadas que recebem luz natural ou outros lugares onde se deseja algo mais reservado e íntimo”, observa a arquiteta.

Vidro craquelado. Uma das novas tendências do mercado, que é um material temperado batido dentro de duas camadas de vidro monolítico para causar um efeito craquelê, ou seja, com diversas trincas. “Em excesso, o efeito pode pesar o ambiente, mas de forma sutil, como em mesas e divisórias, acaba se tornando um ponto de destaque”, sugere Gigi.

Responder