Edição 353Junho 2024
Sábado, 20 De Julho De 2024
Editorias

Publicado em 27/06/2024 - 6:59 am em | 0 comentários

Divulgação

Inicia sábado a 54ª edição do Festival de Inverno de Campos do Jordão

Mais de 60 concertos, em Campos e na capital paulista

Inicia sábado a 54ª edição do Festival de Inverno de Campos do Jordão

Reconhecido como o maior e mais tradicional evento de música clássica da América Latina, o Festival de Inverno de Campos do Jordão chega à sua 54ª edição neste ano – ele não ocorreu apenas em 2020, por conta da pandemia do coronavírus. A programação artística acontece de sábado a 28 de julho e estará dividida entre três espaços em Campos do Jordão e dois na capital, com eventos na Sala São Paulo e no Instituto Mackenzie. O Festival de Campos do Jordão é uma realização da Fundação Osesp e do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas.

Serão mais de 60 concertos neste ano, todos eles com entrada gratuita e distribuídos entre três locais da cidade da Serra da Mantiqueira: o tradicional Auditório Claudio Santoro (apresentações de sexta a domingo); o popular Parque Capivari (sábados e domingos, e também dias 8 e 9 de julho); e a Capela São Pedro Apóstolo, localizada no Palácio Boa Vista (sábados e domingos). A capital paulista também terá agenda: na Sala São Paulo, as apresentações acontecem aos sábados e domingos na Sala de Concertos e, na segunda metade do Festival, na Sala do Coro, entre segunda e sexta-feira. Uma novidade desta edição é a parceria com o Instituto Mackenzie, que receberá o Módulo Pedagógico do evento e alguns recitais na primeira quinzena de julho, no Auditório Escola Americana e no Auditório Ruy Barbosa, ambos no campus Higienópolis (entre segunda e sábado, com ênfase em performances de artistas do festival).

“É um imenso prazer realizar mais uma edição do maior e mais tradicional evento de música clássica da América Latina. Uma questão muito relevante sobre o Festival de Inverno de Campos do Jordão é a formação de jovens músicos promissores, que conseguem neste evento uma visibilidade que faz a diferença. Com este evento, o Governo de São Paulo segue com seu compromisso de promover a cultura e toda a sua transversalidade”, afirma Marília Marton, secretária da Cultura, Economia e Indústria Criativas do estado de São Paulo.

Considerado o “coração” do Festival, o Módulo Pedagógico oferece nesta edição 137 bolsas de estudo integrais a jovens músicos: são 119 bolsas para instrumentistas, seis para regentes, seis para piano e seis para violão. Durante um mês, os alunos terão atividades de Prática de Orquestra, Música de Câmara, Música Antiga e Camerata, além de integrarem a Orquestra do Festival, a Orquestra Bach (de Música Antiga) e a Camerata do Festival, com diversos concertos agendados em todos os palcos. “O conceito pedagógico do festival tem crescido a cada ano, já que os professores não vêm ‘simplesmente’ para dar aulas. Buscamos o aprendizado lado a lado, no qual os músicos-professores, do Brasil e de fora do país, chegam preparados não só para ensinar como também para tocar junto com nossos bolsistas e, dessa forma, intensificar o aprendizado”, revela o coordenador Artístico-Pedagógico do evento, Fabio Zanon.

Destacam-se na programação artística em Campos do Jordão no primeiro fim de semana, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), com seu diretor musical e regente titular Thierry Fischer, tocando Brahms e Villa-Lobos no concerto de abertura (sábado); a Orquestra Jovem do Estado (Ojesp), com seu regente titular Cláudio Cruz, interpretando a Sinfonia nº 4 da norte-americana Florence Price, obra raramente tocada no Brasil (domingo); e a Orquestra Experimental de Repertório (OER), dirigida por Wagner Polistchuk (também no domingo).

Serão recebidos três grupos sinfônicos de fora do país: a Orquesta Sinfónica de Ñuble – Osnuble (Chile), com Emmanuele Baldini no pódio e o violonista Fabio Zanon como solista (7/jul); a Orquesta Juvenil Nacional del Sodre (Uruguai), tendo à frente o maestro Ariel Britos para um repertório inteiramente dedicado à música das Américas (19/jul); e a Orquesta Sinfónica Nacional de Colombia, com Yeruham Scharovsky no pódio e a envolvente Scheherazade, de Rimsky-Korsakov, no programa (26/jul). E veremos novamente nomes como a Orquestra Sinfônica da USP (Osusp) regida por seu novo maestro, Tobias Volkmann, e convidando o jovem violinista Nathan Amaral (05/jul); e a Sinfônica Municipal de Campinas com Carlos Prazeres no pódio e o pianista Cristian Budu como convidado (21/jul).

Na agenda dedicada à música de câmara, duas atrações internacionais: os ingleses do Quarteto Piatti, que apresenta um emocionante programa com música dedicada às Américas – o quarteto Americano, de Dvorák –, e Crisantemi, de Giacomo Puccini, por ocasião do centenário de morte deste compositor (12/jul); e o conjunto de metais Geneva Brass Quintet, que vem de Genebra, na Suíça, e desenvolverá também um trabalho junto dos bolsistas (9/jul).

A programação atualizada pode ser acessada no site oficial do Festival de Campos do Jordão.

O festival receberá, ao todo, 137 alunos e 65 professores. Nesta edição os bolsistas terão duas semanas de prática orquestral e duas de música de câmara, música antiga e camerata, em um total de aproximadamente 1.200 horas-aula. Os maestros convidados serão os brasileiros Luis Otávio Santos (com a Orquestra Bach do Festival em repertório dedicado às suítes de Bach), o italiano Lorenzo Tazzieri (regendo a Camerata do Festival no programa Gala Puccini), e, à frente da Orquestra do Festival, dois maestros: o chileno Maximiano Valdés e o brasileiro Marcelo Lehninger.

Com a orquestra do festival, os bolsistas atuarão em programas que incluem o impactante balé O Pássaro de Fogo, de Stravinsky (20/jul); e La Mer, uma das obras-primas de Claude Debussy (27/jul). Já os alunos de regência farão um concerto no Parque Capivari à frente da GRU Sinfônica (27/jul). A agenda programada para a Sala São Paulo terá apresentações da Orquesta Sinfónica de Ñuble (6/jul) e da Juvenil Nacional del Sodre (20/jul); da Orquestra Bach do Festival (7/jul); e da Camerata do Festival (14/jul), entre outras – três performances da Orquestra do Festival na Sala São Paulo terão transmissão ao vivo no YouTube do Festival, nos dias 7, 21 e 28/jul.

Ao final do evento haverá a entrega do Prêmio Eleazar de Carvalho, cujo nome homenageia o maestro criador do Festival de Campos do Jordão e celebra o músico-bolsista de maior destaque do evento. “Sempre considero a Orquestra do Festival de Campos do Jordão sua principal atração, já que ela é a aposta que estamos fazendo no futuro, na formação e no aperfeiçoamento dos jovens músicos. O núcleo educativo é o cerne deste tradicional evento, e, quando juntamos todos esses músicos, que vêm de diversas partes do Brasil e também do exterior, para formar uma orquestra sem nunca antes terem tocado juntos, já temos aí um dos melhores grupos sinfônicos em atividade no país, antes mesmo de terem tocado uma nota”, completa Fabio Zanon.

“A Fundação Osesp vem realizando o festival desde 2012, mas nossa história está intimamente ligada ao evento – a maior parte de nossos músicos foi bolsista e, antes de termos a Sala São Paulo como residência, Campos do Jordão foi a casa da Osesp por décadas durante o inverno”, conta o diretor executivo Marcelo Lopes: “O Festival movimenta a economia na região da Serra da Mantiqueira, leva ao público uma programação de excelente qualidade e, nessas mais de cinco décadas, enriquece grandemente o cenário da música clássica no Brasil, além de promover inúmeras interlocuções ao redor do mundo com seus alunos e professores”.

O Prêmio Eleazar de Carvalho contemplará o/a bolsista que mais se destacar nessa edição, concedendo a ele/a uma bolsa de US$ 1.400 mil para estudar por um período de até nove meses em uma instituição estrangeira de sua escolha, além de ter cobertas as despesas de translado entre o Brasil e o exterior. A Fundação Osesp poderá premiar outros bolsistas que se destacarem durante as atividades com bolsas na Academia de Música da Osesp.

Toda a programação de concertos do 54º Festival de Inverno de Campos do Jordão contará com recursos de acessibilidade: audiodescrição (todos os concertos) e interpretação em Libras (concertos com coro e voz), realizadas sob demanda do público, pela empresa parceira Ver com Palavras. No caso da programação realizada no Auditório Claudio Santoro, Capela São Pedro Apóstolo, Sala São Paulo (Sala do Coro e Sala de Concertos) e auditórios do Instituto Mackenzie, é necessário confirmar presença até três dias antes do evento pelo e-mail contato@vercompalavras.com.br

Responder