Edição 353Junho 2024
Sábado, 20 De Julho De 2024
Editorias

Publicado em 10/07/2024 - 9:46 am em | 0 comentários

Divulgação

Conferência Continental de Estudos Afro-Latino-Americanos do Alari

Evento acontece na Faculdade de Direito da USP

Conferência Continental de Estudos Afro-Latino-Americanos do Alari

Promover o campo acadêmico dos estudos afro-latino-americanos, por meio de diálogos entre os atores envolvidos na produção e implementação de agendas acadêmicas e de justiça racial na América Latina, é o objetivo da Conferência Continental de Estudos Afro-Latino-Americanos do Alari, que acontece de hoje a sexta-feira, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da USP, na capital paulista. O evento reforça o compromisso com a inclusão e a ampliação no combate ao racismo e discriminações.

Os trabalhos, a partir das 16 horas, serão iniciados pela apresentação “Eu sou Atlântica”, de Maria Lucia Gato de Jesus, ativista social (feminista negra), do Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa (São Luís, Maranhão). Em seguida, discurso de boas-vindas de Márcia Lima, secretária de Políticas de Ações Afirmativas, do Ministério da Igualdade Racial. Ela falará em nome dos organizadores do evento.

Na sequência, será a vez do painel sobre Políticas Públicas e Inclusão, com a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, e o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida; a vice-presidente da Colômbia, Francia Márquez; e as ministras da Educação e de Ciência e Tecnologia colombianas, respectivamente, Aurora Vergara e Yesenia Olaya, Minister of Science and Technology, (Colombia). Moderação: Marcia Lima.

O painel sobre painel sobre “Futuro e desafios dos estudos Afro-Latino-Americanos: Perspectivas do Ensino Superior e do Terceiro Setor” contará com o diretor da Fdusp, professor Celso Campilongo, compõem a mesa, o reitor da Universidade de São Paulo, Carlos Gilberto Carlotti Jr.; Ana Lanna, vice-presidente de Inclusão e Pertencimento da USP; Attila Roque, Fundação Ford; Antonia Quinteiro, presidente Geledes; Marcia Castro, Harvard University; e Alejandro de la Fuente, do Instituto de Pesquisa Afro-Latino-Americana. A moderação será de Paulo Henrique Pereira, presidente da Associação dos Antigos Alunos da SanFran.

Encerra a programação principal desse primeiro dia o convite para a quarta conferência continental da Alari sobre Estudos Afro-Latino-Americanos, por Francisco Piedrahita, da Universidade Icesi (Colômbia).

O evento na Faculdade de Direito da USP é um dos mais importantes de pertencimento e inclusão em nível mundial. É o terceiro Encontro Continental de Estudos Afro-Latino-Americanos do Alari, com organização da Afro-American Research da Universidade de Harvard, da University Consortium for Afro-Latin American Studies, e em colaboração com a Universidade de São Paulo, e o Institute for Afro-Latin American Research do Hutchins Center.

Durante três dias professores, alunos, pesquisadores, acadêmicos, ativistas, artistas e formuladores de políticas públicas, que trabalham com comunidades afrodescendentes na América Latina, terão a oportunidade de apresentar seus trabalhos. Para o diretor, professor Celso Campilongo, será um momento especial para a mais tradicional e mais na antiga academia de Direito do país: “Este congresso é recorde de público dentro da Faculdade de Direito quando falamos deste tipo de evento”.

Um dos organizadores do evento, o professor Paulo Henrique Pereira, presidente da Associação dos Antigos Alunos da Fdusp, ressalta que será a primeira vez que esse congresso se realizará fora do campus de Harvard, em Cambridge, Massachusetts: “É uma honra que eles tenham escolhido a Faculdade de Direito como sede. Serão centenas de pesquisadores de todos os continentes, que se reunirão para o maior congresso mundial de assuntos afro-latino-americanos”.

A SanFran contará ainda com palestra da professora Sênior Eunice Prudente no painel “Direito e relações raciais e desigualdades no Brasil: Reflexões para a implementação de uma educação jurídica antirracista”. A docente tratará de “Liberalismo à brasileira – escravização de pessoas. Racismo – pobreza geracional.”

Entre os temas propostos ao debate estão “Gênero e Feminismo na América Latina”; “Movimento Afrodescendente e Mobilização Negra”; “Representação Política, Governo e Políticas Públicas”; “Escravidão transatlântica e tráfico negreiro”; “Raça e Racismo”, “Educação”; “Direito”; “Saúde pública. Reforçam ainda as discussões sobre “Desigualdades”; “Artes Visuais Afro-Latino-Americanas”; “Literatura Afro-Latino-Americana”; “Cultura Afro-Latino-Americana”; “Arqueologia Afro-Latino-Americana”; “Relações Afro-Indígenas”; “Estudos Afro-Latinx e Herança Cultural Comunitária nos EUA” e “Religiões Afro-Latino-Americanas”.

Os envolvidos no projeto explicam que o campo dos estudos afro-latino-americanos, conforme definido no livro “Afro-Latin America: An Introduction”, é entendido como o estudo dos afrodescendentes na América Latina, bem como o estudo das sociedades mais amplas nas quais essas pessoas vivem. Dessa forma, o campo prospera com contribuições de uma variedade de disciplinas como antropologia, sociologia, história, etnomusicologia, estudos literários, arte e história da arte, estudos religiosos, economia, direito e ciência política.

Mais em https://alari.fas.harvard.edu/third-continental-conference-on-afro-latin-american-studies-2024/

Responder