Edição 320Setembro 2021
Sábado, 16 De Outubro De 2021
Editorias

Publicado na Edição 320 Setembro 2021

Divulgação

Valorização garantida

Alguns “seminovos” podem custar mais que os novos

Valorização garantida

Nelson Tucci

A economia é dinâmica. Muitas vezes por orientação técnica e necessidade de ajustes, noutras por circunstâncias que só uma pitonisa pode prever. Esta segunda hipótese é a que prevalece no presente momento, com os efeitos da pandemia do coronavírus. Vejamos o setor automotivo: retroagindo 10 anos, o preço médio de um veículo – da lista dos 10 mais vendidos – era de R$ 33.327. Hoje, dentro da mesma base de comparação, o preço médio é de R$ 96.528, ou seja, praticamente o triplo. Já em relação a entrega, uma outra novidade: com a pandemia, os usados ganharam mais valor, já que os novos estão com dificuldades de saírem completos das fábricas e na velocidade que o consumidor deseja.

Em 2011, os veículos listados da primeira à décima posição pertenciam às categorias compactas de entrada, modelos hatch ou sedã. E, segundo apuração da KBB Brasil, especializada em pesquisa de preços de veículos novos e usados, nenhum deles ultrapassava o limite de R$ 40 mil de preço médio das versões. O Celta (vulgo Celtinha) tinha o menor valor (R$ 24, 7 mil), enquanto o Voyage, o maior (R$ 39,5 mil). Em média o preço dos 10 carros mais vendidos da época ficava na casa dos R$ 33,3 mil.

Hoje, quatro dos 10 primeiros do ranking nacional são SUVs, o modelo que caiu na graça do brasileiro. Da lista dos Top 10 o mais barato é o Renault Kwid, de R$ 49,3 mil, e o mais caro é o Jeep Compass, com preço médio de R$ 187 mil. Com isso, o preço médio dos 10 mais vendidos de 2021 é praticamente o triplo dos campeões de vendas em 2011, ou seja, R$ 96,5 mil.

AGREGADO – Na virada do ano, e até umas semanas atrás, não era incomum encontrar os chamados “seminovos” mais caros que os novos. A pronta-entrega agregou valor. Com a crise dos componentes (sobretudo a dos semicondutores), os novos estão saindo das montadoras com dificuldade, no prazo e na quantidade. Assim, o consumidor se acostumou a pagar 3%, 3,5% a mais por um usado que seu equivalente 0 Km. No primeiro trimestre do ano, por exemplo, uma camionete Fiat Strada custava entre R$ 79 mil e R$ 79,8 mil. A “seminova” saía (em média) 3,37% mais caro. O Onix, então campeão de vendas, custava a partir de R$ 77,6 mil o novo, enquanto o “semi” saía (em média) R$ 79,5 mil. Por situação semelhante passaram o HB20 e o T-Cross.

E a coisa não deve se normalizar até meados de 2022, prevê a indústria automobilística no país, uma vez que a crise dos componentes é mundial. Com o atraso das entregas, o Brasil deverá deixar de produzir 280 mil veículos neste ano. E, pelas mesma contas, no mundo serão 8 milhões de veículos a menos que o projetado até 31 de dezembro. Portanto, cuide bem do seu velhinho, seja ele um clássico ou esportivo.

Leia Veículos & Negócios atualizada semanalmente em www.veiculosenegocios.blogspot.com.br

Responder