Edição 314Março 2021
Sexta, 16 De Abril De 2021
Editorias

Publicado na Edição 310 Novembro 2020

Reprodução

Oportunidade impulsionada durante a pandemia

Lilbras ganhou importância

Oportunidade impulsionada durante a pandemia

Com a inclusão da comunidade surda, em face à proliferação de lives durante a pandemia, ganhou importância a língua brasileira de sinais (Libras) para acessibilidade dos que possuem esse tipo de deficiência – que, aliás, não são poucos: cerca de 10 milhões de surdos no Brasil, segundo a Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-intérpretes de Língua de Sinais (Febralpis), com cerca de 70% tendo alguma dificuldade de compreensão do português escrito, o que tornam insuficientes as legendas on time.

O contexto incentivou o professor Luan Mota e a amiga Andressa Aquino a iniciarem o projeto “Música para sentir”. “Nossa ideia a princípio foi interpretar músicas que passassem uma mensagem de carinho à comunidade surda durante o isolamento social e também promover o interesse de mais pessoas por esse idioma”, comenta Andressa. Hoje, o projeto conta com mais de 60 participantes que por meio das músicas podem iniciar o processo de aprendizagem em Libras. “É uma parcela da população que muitas vezes fica impossibilitada de acessar conteúdos educativos, principalmente de desenvolvimento profissional, além de conteúdos de consumo e lazer por causa da baixa adesão da inclusão da Libras”, acrescenta Luan.

Luan e Andressa criaram a LibrasAB, empresa que oferece tradução em Libras de conteúdos educativos, ou seja, cursos gravados ou online; tradução simultânea em lives ou eventos em tempo real; curso do idioma para o âmbito corporativo e para pessoas físicas, acompanhante intérprete de Libras, além de tradução de comunicações internas das empresas para os colaboradores surdos.

Em parceria com Murilo Gun, fundador da Keeping Learning Schoool, foi iniciado o processo de tradução em Libras com os cursos “Reaprendizagem Criativa” e “Cri Cri Cri – Criando Crianças Criativas”, que, em breve, estarão disponíveis para a comunidade surda.

Responder