Edição 311Dezembro 2020
Quarta, 20 De Janeiro De 2021
Editorias

Publicado na Edição 310 Novembro 2020

Fotos Divulgação

Cidades subterrâneas

Derinkuyu, a cidade subterrânea mais profunda da Capadócia, chega a 85 metros abaixo do solo

Cidades subterrâneas

Um dos mais importantes destinos turísticos da Turquia, a Capadócia abriga o Parque Nacional Göreme, classificado desde 1985 como Patrimônio da Humanidade da Unesco. Localizado na região da Anatólia Central, um de aspectos curiosos do parque são as cidades subterrâneas, datadas de cerca de 3.000 anos a.C.

Acredita-se que a principal função dessas cidades era o esconderijo, servindo tanto a animais, para se abrigarem do frio, como às antigas tribos, para se refugiarem de invasões estrangeiras e perseguições religiosas. Os espaços chegavam a abrigar milhares de pessoas e tinham igrejas, dormitórios e estábulos, além de sistema de circulação de ar.

Até agora, 40 dessas cidades foram descobertas, mas estima-se que esse número seja maior. Poucas estão abertas para visitação turística, sendo que outras são sítios arqueológicos, ainda estudadas para ajudar a explicar melhor a história da região e da humanidade.

Entre as cidades que podem ser visitadas, Derinkuyu é a mais profunda da Capadócia e chega a 85 metros abaixo do solo. Foi descoberta em 1966 durante uma escavação. Ela possui 20 níveis, mas apenas oito estão abertos para visitação. Os andares incluem igrejas, cozinhas, locais para amarrar prisioneiros e espaço para os animais.

Kaymakli revela todas as acomodações necessárias para uma comunidade viver no subsolo. As salas e corredores são conectados uns aos outros por corredores estreitos e baixos. A estimativa é que essa cidade tenha sido construída em 1.300 a.C, sendo usada anos depois como abrigo dos cristãos perseguidos pelo Império Romano.

O primeiro andar de Kaymakli era ocupada pelos animais, considerando a dificuldade de transportá-los para andares mais baixos. O segundo andar conta com uma igreja e até um cemitério para as pessoas mais importantes da comunidade. Toda sua extensão está cheia de armadilhas, garantindo mais proteção contra inimigos.

Ozkonak está aberta a visitantes desde 1972. Ela foi descoberta por um fazendeiro da região e tem data de origem incerta, mas estima-se que tenha sido construída durante o período Bizantino. Ao total são 10 andares, com 40 metros de profundidade. Entre seus cômodos e corredores existem portas de pedra com furos que eram usados para despejar óleo quente nos inimigos.

A cidade subterrânea de Tatlarin parece ter sido usada, principalmente, como guarnição militar ou um complexo de mosteiro, já que possui espaços largos, diferentes de outras cidades. Também possui banheiros, o que demostra a utilização desses espaços na região de Anatólia há mais de 3.000 anos.

Ozkonak: cidade subterrânea está aberta a visitantes desde 1972

Responder