Edição 308Setembro 2020
Segunda, 26 De Outubro De 2020
Editorias

Publicado na Edição 305 Junho 2020

Reprodução

Eleições 2020. Líder x Gestor

Silvio: “Precisaremos de líderes capazes de ver atrás da montanha e convencer as pessoas a segui-lo mesmo sem entender exatamente seus projetos ou motivos... “

Eleições 2020. Líder x Gestor

Silvio M. Barros

Estamos vivendo um dos momentos mais difíceis da história, incertezas e mudanças radicais em todos os setores da sociedade. Enfrentamos uma crise sanitária que se desdobrou em econômica, cultural e política cuja duração e consequências, ainda não podem ser imaginadas.

E bem no meio desta enorme confusão, todos os municípios brasileiros, estarão elegendo seus prefeitos, políticos que terão a dificílima tarefa de conduzir as cidades na mais complexa e dramática gestão da história. Os candidatos vão disputar, em alguns casos até agressivamente, a desafiadora tarefa de encontrar a saída deste cenário escuro e indefinido numa eleição que ocorrerá antes de sabermos sequer qual a dimensão real do problema a ser superado.

Que tipo de pessoa tem interesse de assumir tamanha responsabilidade? E os eleitores, será que estão preparados para escolher entre os candidatos o que melhor responderá aos desafios de 2021? Que consequências positivas ou negativas esta escolha, num momento tão complicado, pode trazer para o futuro de pessoas físicas e jurídicas em cada cidade?

Além de administrar um acentuado desequilíbrio entre receita (em queda) e demanda por serviços públicos (em alta), a transformação global decorrente da aceleração de tendências futuras que a COVID trouxe para a realidade presente, exigirá do novo prefeito capacidade de visualizar e interpretar estas tendências e viabilizar sua implementação no município de forma a não permitir um retrocesso quando a pandemia passar, mas impulsionar a comunidade para frente aproveitando as janelas de oportunidade que se abrirão. Me refiro por exemplo a conveniência de implantar a telemedicina nos postos de saúde, plataformas de educação virtual já no ensino fundamental, trabalho remoto no serviço público e tantas outras coisas que possibilitarão maior eficiência, rapidez e menor custo para a máquina pública entregar ao cidadão muito mais, gastando muito menos.

O momento é mais para liderança do que simplesmente gestão. Precisaremos de líderes capazes de ver atrás da montanha e convencer as pessoas a segui-lo mesmo sem entender exatamente seus projetos ou motivos, mas confiando que o resultado será positivo para elas.

Tem que ser muito mais que um bom gestor, vamos precisar de um grande líder, alguém que acredite firmemente no modelo do líder servo, aquele que tem como principal motivação, servir ao próximo, proteger os mais vulneráveis ainda que isto lhe custe muito caro pessoalmente. Precisaremos de alguém com coragem de encarar o sacrifício para salvar seus liderados, sabendo que talvez nunca seja reconhecido por isso. O momento parece exigir o tipo de político de um mandado só, mas completamente determinado a cumprir a missão de não deixar ninguém para trás.

Estas características são relevantes porque todas as prefeituras vão precisar de auxílio externo, mas única fonte de recursos que não foi abalada pela crise global e está disponível para ajudar a resolver os enormes problemas que estão pela frente, é DEUS. A pandemia em nada corroeu ou desequilibrou os recursos ilimitados que o Todo Poderoso coloca à disposição dos que o temem e o amam acima de todas as coisas. Acontece que só poderá recorrer a estes recursos aquele que tiver a motivação correta para disputar a função de prefeito municipal.

Quando terminarem as apurações, teremos um georreferenciamento das cidades que tiveram maturidade social e eleitoral na escolha. O resultado das eleições definirá quem vai surfar na onda do futuro e quem vai engolir água, ancorado no passado. O pleito municipal de 2020 será um divisor de águas e mostrará que Brasil deixaremos para a próxima geração.

Silvio Barros foi prefeito de Maringá de 2005 a 2012.

Responder