Edição 323Dezembro 2021
Sexta, 21 De Janeiro De 2022
Editorias

Publicado na Edição 315 Abril 2021

Primeiros cuidados com o filhote

Primeiros cuidados com o filhote

Leite materno é fundamental para crescimento saudável

Ao escolher um filhote o tutor responsável deve atentar para a idade de seu futuro amiguinho, pois ao trazê-lo para casa o ideal é que tenha entre 45 a 65 dias de vida, pois aí ele já fez o desmame e poderá ser alimentado com ração. Segundo frisa o médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti, o leite materno é fundamental para o crescimento saudável.

Filetti relaciona algumas dicas para saber se o filhote está pronto para o novo lar: nos olhos, se houver muita secreção de cor amarela, pode ser indicativo de verminose; mucosas muito pálidas podem ser sinal de anemia; pelo com falhas pode indicar pulgas ou carrapatos; barriga ou abdômen muito inchado também pode indicar vermes. Um bom aspecto de saúde é ter olhos sem secreção, pelo bonito, mucosas bem vermelhas e abdômen sem inchaço. Prepare um espaço sem vento e chuva, e garanta uma boa alimentação e água fresca.

Filhotes em idade tenra não devem tomar banhos. A higiene deve ser feita com loção desodorante, que pode ser caseira, misturando água, vinagre e álcool. Passe pelo corpo do filhote com algodão uma vez ao dia. Outra solução é colocar 15 cravos da índia num vidro com álcool e deixar descansando por três dias, que servirá para limpar o corpo e os ouvidos, com auxílio de algodão.

Atenção para a vacinação. Filhotes de cães: 4 doses de V10 (protegem contra 10 doenças) + raiva; filhotes de gato: 4 doses de V4 (protegem contra quatro doenças) + raiva. Primeira dose, de 45 a 60 dias de vida para cães e gatos adultos. Anualmente 1 dose + raiva + lepstospirose semestral. A vermifugação deve ser feita a partir de 20 dias de vida.

A idade ideal para o primeiro passeio é quando o pet estiver totalmente vacinado, após ter tomado as 4 doses e a vacina contra raiva. Se o filhote começou a vacinação no período correto, com 5 meses já pode passear, com exceção para as raças Doberman e Rottweiler, que detém maior propensão para a parvovirose, sendo o período de vacinação mais extenso. Filetti adverte: “Estas são apenas algumas dicas, pois o correto é consultar sempre um médico veterinário”.

Pesca de arrasto carece de fiscalização

Uma tartaruga encontrada nas pedras da Ilha Porchat, em São Vicente, pode ter sido mais uma vítima de pesca de arrasto que acontece sem fiscalização na região. Eduardo Ribeiro Filetti foi chamado ao local por um grupo de alunos e constatou que o animal já estava morto, com ferimentos, supondo ter ficado presa a rede de pesca, não conseguindo subir para respirar. “Cada um de nós deve atuar como fiscal da natureza, visando proteger animais e vegetais”, defende Filetti.

Responder