Edição 327Abril 2022
Quinta, 26 De Maio De 2022
Editorias

Publicado na Edição 322 Novembro 2021

Meu pet, Esquilo da Mongólia, Cacatua…

Meu pet, Esquilo da Mongólia, Cacatua…

Esquilo da Mongólia: ativo tanto de dia como a noite

Há muitos animais que podem ser alçados à condição de melhor amigo, quando não se quer a companhia de um cão ou um gato como pet. Cada qual com sua característica, o médico veterinário Eduardo Ribeiro Filetti detalhou aspectos sobre dois deles, com dicas de cuidados indispensáveis visando manter a segurança e a saúde do animal.

Filetti, que é professor universitário e mestre em Saúde Pública, esclarece que em cativeiro o Meriones ungulatus, o Esquilo da Mongólia, vive em média de 3 a 4 anos: “É animal dócil, que se acostumado desde pequeno, não sente medo do dono e até sobe em sua mão com naturalidade. Este primeiro contato com o ser humano deve ocorrer logo com três semanas de vida, que é a época em que é desmamado”.

O Esquilo da Mongólia permanece ativo tanto de dia como a noite, alternando períodos de brincadeiras com cochilos rápidos. Sua alimentação deve ser baseada principalmente em ração para roedores, a base de trigo, aveia, cevada e milho; e complementada com verduras e legumes picados.

“Torna-se sexualmente ativos entre nove e 12 semanas de idade e o casal deve ser reunido desde filhote, caso contrário ocorrerão brigas”, alerta Filetti: “A gestação dura cerca de 25 dias e os filhotes devem ser retirados da mãe e separados por sexo com no máximo quatro semanas, pois a partir desta época eles já podem se reproduzir, além de a mãe se tornar agressiva com eles, podendo feri-los até a morte”.

A Cacatua ophtalmica, ou simplesmente Cacatua, vive em média 50 anos em cativeiro, mas não é raro atingir a idade de 80 anos. Sua alimentação deve ser baseada em misturas próprias e parte em frutas e verduras frescas, com exceção de alface que pode causar diarreia. “Pode ser oferecida ração para cães, duas ou três vezes por semana”, diz o médico veterinário: “As frutas duras, como nozes e castanhas, além de outros brinquedos, são recomendadas para que estes animais se distraiam e não adotem vícios, como os de destruir os bebedouros e a gaiola”.

Se acostumada desde pequena, a Cacatua se torna dócil e tenta até imitar a fala humana, bem como latidos e miados. Ela atinge sua maturidade sexual entre quatro e cinco anos, e o casal deve ser criado junto desde pequeno, já que são aves monogâmicas, ou seja, passam a vida inteira com apenas um parceiro. As fêmeas botam de dois a cinco ovos, que são chocados durante um período de 30 dias.

Cacatua ophtalmica, ou Cacatua: vive em média 50 anos em cativeiro

Enquanto muitas empresas se preparam para mudar o formato de trabalho home office e retornar ao modelo presencial, os tutores passaram a se preocupar com o comportamento e a sensação de solidão de seu pet. Essa separação pode causar sofrimento no pet e, segundo o especialista em comportamento animal da Mars Pecare, Tammie King, essa situação é mais desafiadora se o gato ou cão chegou ao novo lar durante o confinamento e nunca passou muito tempo longe do seu tutor.

Responder