Edição 316Maio 2021
Sexta, 18 De Junho De 2021
Editorias

Publicado na Edição 312 Janeiro 2021

Murray

Bolsonaro e a pandemia

Eduardo: “Bolsonaro não ofendeu apenas aos brasileiros, mas a toda a população mundial”

Bolsonaro e a pandemia

Eduardo Murray

É na hora da crise que o caráter do homem é posto à prova.

O caráter, sendo ele o conjunto de traços morais e éticos de um indivíduo, é demonstrado por este ao longo da existência através de sua conduta, opiniões e senso de justiça.

O objetivo maior que deveria nortear um indivíduo para a formação de seu caráter é o bem universal da raça humana, o sentimento de que todos os indivíduos são iguais e devem ser cuidados e respeitados, uns pelos outros, e pelo Estado, independentemente de credo, sexo, religião, posição social ou política.

A história mostra grandes homens que, durante as mais variadas crises, heroicamente tiveram o ser humano como o bem maior a ser protegido.

Tais homens mostraram o seu caráter e seus nomes foram perpetuados. Figuras como Churchill, Mandela, Ghandi, Roosevelt e muitos outros forjaram a nossa civilização.

A postura do presidente da República Jair Bolsonaro durante a pandemia reflete, com absoluto realismo, sua extrema falta de caráter. Sob qualquer perspectiva que se olhe, Bolsonaro foi um péssimo exemplo, não amparou o povo, não acolheu as centenas de milhares de vítimas diretas e indiretas, debochou, criou embaraços internos e externos, torceu contra a vacina, dentre muitas outras coisas. Bolsonaro não ofendeu apenas aos brasileiros, mas a toda a população mundial. Bolsonaro desuniu a todos, mostrando que é uma figura contrária ao progresso civilizatório. Não é exagero algum tipificá-lo como genocida.

Bolsonaro deveria ser processado e condenado por crime de responsabilidade, que é a ação ilícita cometida por um agente político e está previsto no artigo 85 da Constituição brasileira de 1988 e, no âmbito infraconstitucional, na Lei nº 1.079/50.

Seu nome nunca foi e jamais será grande e digno de respeito.

Eduardo Murray é advogado do escritório Murray – Advogados, de São Paulo.

Responder