Edição 294Julho 2019
Terça, 20 De Agosto De 2019
Editorias

Publicado em 14/03/2019 - 8:01 am em | 0 comentários

Divulgação

Tomografia pode detectar sinais da doença de Alzheimer

Exame ajuda a distinguir entre Alzheimer e o comprometimento cognitivo leve

Tomografia pode detectar sinais da doença de Alzheimer

Pesquisadores do Duke Eye Center mostraram que um novo dispositivo de imagem não invasivo pode ver sinais da doença de Alzheimer em questão de segundos. Os pesquisadores descobriram que os pequenos vasos sanguíneos da retina na parte de trás do olho estão alterados em pacientes com Alzheimer.

E eles mostraram que podem distinguir entre pessoas com Alzheimer e aquelas com apenas comprometimento cognitivo leve. Esta pesquisa mais recente é o maior estudo até hoje e acrescenta à literatura atual como os cientistas se esforçam para encontrar uma maneira rápida, não invasiva e barata para detectar a doença de Alzheimer nas fases iniciais. Seu estudo foi publicado on-line hoje em Ophthalmology Retina, um jornal da Academia Americana de Oftalmologia.

Um novo tipo de imagem precisa e não invasiva, chamada angiografia por tomografia de coerência óptica (OCTA), auxiliou grande parte das pesquisas recentes sobre a conexão do olho com a doença de Alzheimer. Ele permite que os médicos vejam os menores vasos sanguíneos na parte de trás do olho que são menores que a largura de um fio de cabelo humano.

Como a retina é uma extensão do cérebro e compartilha muitas semelhanças com o cérebro, os pesquisadores acreditam que a deterioração da retina pode espelhar as mudanças que ocorrem nos vasos sanguíneos no cérebro, oferecendo, assim, uma janela para o processo da doença.

Para seu estudo, os pesquisadores usaram o OCTA para comparar as retinas em 70 olhos de 39 pacientes com Alzheimer, com 72 olhos de 37 pessoas com comprometimento cognitivo leve, bem como 254 olhos de 133 pessoas cognitivamente saudáveis. Eles descobriram que o grupo de Alzheimer tinha perda de pequenos vasos sanguíneos da retina no fundo do olho e que uma camada específica da retina era mais fina quando comparada às pessoas com comprometimento cognitivo leve e pessoas saudáveis. As diferenças na densidade foram estatisticamente significativas após os pesquisadores controlarem fatores como idade e sexo.

Algumas técnicas podem detectar sinais da doença, mas são impraticáveis para a triagem de milhões de pessoas: as tomografias cerebrais são caras e as torneiras da coluna têm riscos. Em vez disso, a doença é frequentemente diagnosticada através de testes de memória ou observando mudanças comportamentais. No momento em que essas mudanças são percebidas, a doença está avançada. Embora atualmente não exista cura, o diagnóstico precoce permitirá que os pesquisadores estudem novas medicações mais cedo, já que futuros tratamentos podem ser mais eficazes quando administrados precocemente. Diagnósticos anteriores também proporcionariam aos pacientes e suas famílias tempo para planejar o futuro.

A oftalmologista e autora sênior Sharon Fekrat e Renan Batista Silva, professora de Oftalmologia da Duke, juntamente com a autora principal Dilraj Grewal, MD, professora associada de Oftalmologia da Duke, esperam que o trabalho possa um dia ter um impacto positivo na vida dos pacientes. Oftalmologistas da clínica de olhos do Rio de Janeiro IORJ especializada em cirurgia de catarata, comemoraram a notícia. “O diagnóstico precoce da doença de Alzheimer é uma enorme necessidade não atendida”, disse Fekrat.