Edição 301Fevereiro 2020
Segunda, 24 De Fevereiro De 2020
Editorias

Publicado em 13/02/2020 - 7:15 am em | 0 comentários

Marcelo Martins/Secom-PMS

Santos prepara-se para identificar casos suspeitos do coronavírus

É necessário ter critério clínico-epidemiológico

Santos prepara-se para identificar casos suspeitos do coronavírus

Cerca de 300 profissionais da rede de saúde de Santos passaram por capacitação sobre o novo coronavírus e estão aptos a identificar e direcionar casos suspeitos de acordo com protocolo formalizado pela Secretaria de Saúde de Santos. Além dos profissionais da assistência das policlínicas, unidades de pronto atendimento, especializadas (Ambesps, saúde mental, entre outras), equipes administrativas também foram conscientizadas da necessidade de alerta para casos suspeitos que possam surgir em qualquer dessas unidades.

“Não temos nenhum caso suspeito em Santos, não há motivo para pânico. Mas o momento epidemiológico exige que todos estejamos preparados para identificar suspeitos e tomar todas as medidas necessárias para evitar a propagação do vírus”, destaca Carolina Ozawa, coordenadora de Vigilância em Saúde.

A principal mensagem transmitida na capacitação é que, para a pessoa ser considerada suspeita, é necessário critério clínico-epidemiológico, ou seja, além de apresentar sinais e sintomas, é obrigatório que a pessoa tenha viajado recentemente para a China. Não havendo este histórico de deslocamento, automaticamente o caso não deve ser tratado como suspeito do novo coronavírus.

O infectologista Marcos Caseiro abordou as características do vírus, disseminação, cuidados que as equipes de saúde têm que ter no atendimento aos casos suspeitos, com o uso de equipamentos de proteção individual, além dos protocolos a serem seguidos, o que foi reforçado na sequência pela explanação do Departamento de Vigilância em Saúde.

“O coronavírus pode sobreviver em superfícies em um período de 6 a 9 dias, segundo estudos. Porém, em ambientes mais quentes, o vírus sofre um ressecamento maior, o que tende a inativá-lo”, explica Caseiro. A lavagem constante das mãos e o uso do álcool gel também foram apontados como medidas eficazes para evitar a proliferação do vírus, especialmente em ambientes hospitalares.

Havendo caso suspeito, as unidades de saúde devem efetuar o registro na Seção de Vigilância Epidemiológica em até 24 horas e colher as amostras para exame laboratorial, a ser realizado no Instituto Adolfo Lutz, que pode ou não confirmar a suspeita.

Enquanto isso, os pacientes que não apresentam gravidade devem ser acompanhados pela policlínica, com medidas de precaução e isolamento domiciliar. Já os pacientes com quadros graves, são encaminhados para uma das unidades de pronto atendimento municipal e, posteriormente, para o Hospital Emílio Ribas, no Guarujá, referência na região para este tipo de atendimento.

Dicas para evitar a propagação do vírus: lavar as mãos, cozinhar bem os alimentos, cobrir a boca e o nariz ao tossir e espirrar, evitar viagens para os locais e países com transmissão, uso de máscaras ao sinal de qualquer sintoma parecido ou ao entrar em contato com pessoas com sintomas. Ao sinal de qualquer sintoma, procure assistência médica o mais rápido possível na policlínica de referência do seu bairro ou em uma unidade de pronto atendimento.

Responder