Edição 327Abril 2022
Terça, 17 De Maio De 2022
Editorias

Publicado em 19/04/2022 - 6:48 am em | 0 comentários

Carlos Nogueira/Segov-PMS

Projeto capacitará jovens para diminuir lixo lançado no mar

Prefeito destacou que a importância do programa

Projeto capacitará jovens para diminuir lixo lançado no mar

O Programa Beco Limpo, que tem o objetivo de reduzir a quantidade de lixo no mar, em Santos, foi lançado na tarde de ontem, na sede do Instituto Arte no Dique, no Bairro Rádio Clube. Os primeiros 25 alunos do projeto, que receberão bolsa-auxílio pela atuação nas comunidades, foram recepcionados por autoridades municipais.

Os participantes terão aulas em quatro dias da semana, onde aprenderão desde o cultivo de plantas à reutilização de materiais, além de se tornarem multiplicadores de conhecimento socioambiental para toda a comunidade. O objetivo é que os jovens transformem os hábitos dos moradores dos bairros Vila Gilda, Vila dos Criadores e São Manoel, região de palafitas, a fim de diminuir o descarte de resíduos sólidos no mar.

“Esse projeto surgiu da análise e diagnóstico do lixo que aparecia nas praias, onde constatamos que boa parte tinha origem nas palafitas. Então nós buscamos uma alternativa de trabalhar na fonte, ou seja, desenvolver essa consciência coletiva, esse sentimento ambiental na população para atuarem na preservação do mangue. Dessa maneira, também evitamos a poluição através do canal do estuário até a praia”, explicou o secretário municipal de Meio Ambiente (Semam), Marcos Libório.

Durante a cerimônia, o prefeito Rogério Santos destacou que a atuação dos alunos será de extrema importância não só para as comunidades, mas para o planeta, visto que o problema do lixo do mar é uma preocupação mundial: “Ninguém faz nada sozinho e vocês, juntos, se tornarão verdadeiras lideranças que terão a capacidade de transformar esse mundo. A transformação se faz pela cultura e, hoje, o Arte no Dique é a casa dessa mudança, de onde vocês disseminarão a cultura do Meio Ambiente”.

O presidente do instituto, José Virgílio Leal de Figueiredo, se emocionou durante o discurso, enquanto falava sobre a concretização de um sonho: “Estamos muito felizes. A expectativa é muito grande, pois é mais um salto que marca os 20 anos do Arte no Dique. É um verdadeiro presente que estamos recebendo”. Ele agradeceu à Prefeitura pela parceria e ao Ministério Público, que investiu 1,8 milhões de reais, provenientes de multas ambientais.

O Programa Beco Limpo contribuirá com a educação ambiental, autogestão de resíduos sólidos, engajamento social e geração de renda na região das palafitas de Santos. Por meio do projeto, jovens de 16 a 22 anos disseminarão conhecimento sobre preservação ambiental em meio aos moradores, como agentes comunitários de meio ambiente, recebendo bolsa-auxílio de R$ 400.

“Nosso objetivo é envolver boa parte da comunidade por meio desses multiplicadores no conceito de conservação ambiental. Disseminaremos boas práticas, informações sobre descarte correto do lixo, hábitos saudáveis em casa, preservação do meio ambiente, entre outros conceitos. Essa parceria é apenas uma das ações dentro da estratégia de redução de resíduos sólidos nas praias de Santos”, explicou o secretário de Meio Ambiente.

As aulas serão ministradas quatro vezes na semana, somando 16 horas semanais. Às segundas, das 13 às 17 horas, aprenderão sobre horta e compostagem no Jardim Botânico Chico Mendes (Bom Retiro); às terças e quintas, em turmas nos períodos matutinos e vespertinos (9 às 12 e 13 às 16 horas), terão aulas de marcenaria com o objetivo de destinar corretamente a madeira descartada; às sextas, das 13 às 17 horas, será o momento de aprender sobre cocriação, como inovar, construir uma ideia e solucionar problemas melhorando o meio onde vivem. Na próxima fase do curso, os alunos serão treinados para serem agentes comunitários, praticando a escuta ativa e o olhar nas ruas da região.

Cada turma terá 25 alunos, que ficarão no projeto durante um ciclo, ou seja, quatro meses. Após este período, os alunos se formam e outros 25 jovens entram no projeto. Para participar, além da idade, é preciso morar na região das palafitas, ter disponibilidade de horário e compromisso com o programa. As inscrições para o próximo ciclo devem iniciar em julho, um mês antes da formação da primeira turma.

A duração inicial do programa é de três anos, período em que o impacto do projeto sobre as comunidades será estudado. “A ideia é analisar no decorrer do trabalho e observar se o formato que estamos seguindo é o que atinge o nosso objetivo ou se precisa de alguma mudança. A ideia é continuar, sim, educando a população local. Não existe uma solução única, mas toda solução precisa envolver a população, o que é uma característica desse projeto”, afirmou o secretário da Semam.

A maior parte do curso acontecerá na sede do Instituto Arte no Dique, à Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.349, Rádio Clube, onde será implantada uma oficina de marcenaria para reaproveitamento de madeira dispensada e hortas urbanas para a compostagem de resíduos orgânicos. As hortas serão construídas em caixas de madeira pela própria oficina, podendo ser ampliadas e remanejadas de forma fácil e rápida para outras áreas.

A implantação da oficina será na quadra de futsal do Arte no Dique. Para que os alunos do instituto não percam o espaço, uma nova quadra será montada na parte superior da sala de marcenaria. As obras têm previsão de início ainda no mês de abril, mas enquanto o espaço não fica pronto, os alunos participam das aulas práticas na sede da EcoFábrica Criativa, no Mercado Municipal, à Praça Iguatemi Martins s/nº, Vila Nova. No local, os jovens também aprenderão a produzir objetos artísticos.

“A oficina é uma parte extremamente importante do projeto, porque vai capacitar jovens para o mercado de trabalho. Hoje em dia, um marceneiro tem uma área de trabalho ampla e o que as pessoas das palafitas, que são o foco do Arte no Dique, mais desejam é capacitação. É uma oportunidade de profissionalização, de futuro”, afirmou o presidente do instituto.

O Beco Limpo teve início em 2018, por meio de parceria com o Ministério Público Federal (MPF). No ano seguinte, o programa foi apresentado e em 2020 ganhou um projeto-piloto, desenvolvido entre setembro e dezembro, com a instalação de cabideiros de lixo em diversos becos da região das palafitas, para analisar a adesão das pessoas à iniciativa. Em janeiro do ano passado, a iniciativa foi aprovada pelo MPF, que destinou R$ 1,8 milhão para investimento no projeto.

Em dezembro do mesmo ano, o termo de colaboração para a realização do Beco Limpo, com prazo de 40 meses, foi assinado pelo prefeito Rogério Santos, pelo secretário da Semam, que na ocasião era Márcio Paulo, e pelo presidente do Instituto Arte no Dique. A entidade se tornou responsável por desenvolver o trabalho em conjunto com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), a Agência Ambiental da Suécia e a International Solid Waste Association (ISWA), associação internacional, não governamental e sem fins lucrativos, que atua pelo interesse público de promover e desenvolver o setor de resíduos sólidos ao redor do mundo, da qual a Abrelpe é representante no Brasil.

Responder