Edição 314Março 2021
Quinta, 15 De Abril De 2021
Editorias

Publicado em 4/03/2021 - 7:00 am em | 0 comentários

Divulgação

Prefeitos solicitam apoio do estado para desmotivar a vinda de turistas

Reunião do Condesb por videoconferência

Prefeitos solicitam apoio do estado para desmotivar a vinda de turistas

Prefeitos das nove cidades da Baixada Santista solicitaram apoio do governo do estado para que seja contido o acesso de turistas à região, após a reclassificação do Plano São Paulo, que colocou São Paulo na fase vermelha a partir de sábado. O apelo foi feito ontem durante reunião por meio de videoconferência do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb).

O órgão deliberou o envio de ofício ao governador João Doria, no qual é solicitada a proibição da realização da Operação Descida do Sistema Anchieta-Imigrantes, com implantação de barreiras sanitárias não só nessas rodovias como também na Mogi-Bertioga e na Régis Bittencourt (BR-116), além da ampliação do efetivo da Polícia Militar, similar a Operação Verão, para restringir o uso e garantir a fiscalização das praias.

O presidente do Condesb e prefeito de Santos, Rogério Santos, afirmou que a região fez o seu dever abrindo leitos e implantando estrutura para atender os pacientes com a Covid-19: “Foi um grande esforço para estarmos classificados na fase amarela. Não podemos correr o risco de que a situação se agrave e tenhamos um colapso na nossa rede hospitalar”.

Ele lembrou que as ações do estado são fundamentais para garantir as medidas restritivas da fase vermelha: “São mais de 150 quilômetros de praias e muitos imóveis vazios de veraneio na Baixada Santista. Além disso, não podemos realizar bloqueios municipais nas vias estaduais. As praças de pedágio são estruturas ideais para realizar as barreiras e desencorajar e orientar os usuários”.

Outra reivindicação do Condesb é a regularização das doses de vacina distribuídas para a Baixada Santista, para que seja possível imunizar a demanda reprimida e garantir o cumprimento do Plano Estadual de Imunização.

Responder