Parque das Neblinas conserva mais de 400 nascentes do rio Itatinga – Jornal Perspectiva
Edição 282Julho 2018
Quarta, 22 De Agosto De 2018
Editorias

Publicado em 20/03/2018 - 2:56 pm em | 0 comentários

Divulgação

Parque das Neblinas conserva mais de 400 nascentes do rio Itatinga

Bacia do rio Itatinga: patrimônio hídrico da região

Parque das Neblinas conserva mais de 400 nascentes do rio Itatinga

O Parque das Neblinas, situado nos municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga, em São Paulo, protege a bacia do rio Itatinga, um patrimônio hídrico da região, devido ao importante papel que desempenha para a dinâmica ambiental regional e para a economia do país. Afinal, suas águas abastecem a usina hidrelétrica da Vila do Itatinga, responsável por fornecer energia para a operação do porto de Santos, o principal da América Latina.

Dos 24 quilômetros que o rio Itatinga percorre desde a Serra do Mar até desaguar no rio Itapanhaú, em Bertioga, 14 cortam o Parque das Neblinas – que é gerido pelo Instituto Ecofuturo, mantido pela Suzano Papel e Celulose –, que protege ainda 449 nascentes, o equivalente a cerca de 50% de sua bacia. Na área, são conservadas também outras 14 nascentes, que desaguam para o Alto Tietê.

Com 6 mil hectares, o Parque é certificado como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica pelo Programa Homem e Biosfera da Unesco, devido às atividades de conservação, pesquisa e de educação ambiental promovidas pelo Ecofuturo no local. Esse trabalho, realizado há duas décadas, foi fundamental para a recuperação do rio, impactado nos anos de 1940 e 1950, quando boa parte da vegetação original da área foi transformada em carvão, destinado à siderurgia.

Além de ações em prol da restauração e conservação da cobertura vegetal de suas margens, promoção de pesquisas científicas e a aplicação de técnicas de manejo sustentável na área, o Ecofuturo desenvolve o Meu Ambiente, programa de educação socioambiental com educadores e alunos de Mogi das Cruzes, e oficinas de manejo com proprietários rurais do entorno. O objetivo é compartilhar conhecimento, promover a valorização do meio ambiente, e conscientizar sobre a importância da conexão do homem com a natureza e da adoção de hábitos e práticas mais sustentáveis – inclusive na gestão de propriedades rurais.

“O rio Itatinga é a principal artéria do Parque das Neblinas e tem extrema relevância para toda a região. Ao atuarmos para a conservação da Mata Atlântica na área, contribuímos também para a conservação do rio, protegendo suas margens e nascentes, e fazendo com que ele se aproxime novamente da sua condição original”, afirma Paulo Groke, diretor de Sustentabilidade do Instituto Ecofuturo.

Engenheiro florestal, Groke explica que a manutenção da cobertura florestal nas margens dos rios é fundamental, pois atua como uma camada de proteção, e assim como uma esponja, absorve a força das grandes chuvas e evita, por exemplo, que a água chegue barrenta nos cursos d’água, já que retém os sedimentos que iriam diretamente para o rio, além de reduzir a ocorrência de erosões no solo. Além disso, ao diminuir a velocidade das enxurradas, a cobertura vegetal permite que a água das chuvas se infiltre no solo, promovendo assim a recarga dos lençóis freáticos: “A dinâmica da floresta e dos recursos hídricos está diretamente interligada: um depende do outro e, consequentemente, a conservação de um elemento impacta na do outro”, afirma o engenheiro.