Edição 298Novembro 2019
Quarta, 11 De Dezembro De 2019
Editorias

Publicado na Edição 295 Agosto 2019

Divulgação

Metodologia com foco em sustentabilidade

Henrique e Olivier: ArcelorMittal apresenta o Steligence

Metodologia com foco em sustentabilidade

Uma das maiores produtoras de aço do planeta, a ArcelorMittal foi destaque da Concrete Show 2019, realizada em agosto, em São Paulo. A companhia apresentou sua inovadora metodologia para a área: Steligence, que possibilita uma avaliação precisa e apurada de uma edificação em todas as suas etapas construtivas, desde a fundação até a fachada. A empresa levou em conta os principais métodos construtivos do mercado e suas soluções em aço top de linha para identificar a escolha de construção inteligente em termos de custo, flexibilidade arquitetônica, geração de resíduos e conforto do usuário.

“Queremos contribuir para questões cada vez mais relevantes no mercado da construção civil: a sustentabilidade e a inovação. No Brasil, a ArcelorMittal historicamente trabalha na vanguarda das soluções em aço para a construção, através da engenharia de aplicação, desenvolvimento de produtos, serviços e mais recentemente com a criação da engenharia inovação – uma startup focada no aprimoramento de toda a cadeia no sentido de desenvolver soluções mais produtivas, industrializadas e inteligentes”, afirmou o vice-presidente comercial Henrique Morais. O professor Olivier Vassart, CEO do Steligence explicou: “O conceito de construção hoje em dia é muito conservador quando comparamos com as tendências e tecnologias emergentes. Na ArcelorMittal, entendemos que a construção não pode mais ser considerada como algo inerte e, por isso, estamos constantemente trabalhando para nos adaptar a essa nova realidade e desenvolver novas soluções”. O executivo trabalha com pesquisa e tecnologia na empresa há mais de 18 anos e hoje é responsável global do Steligence.

Para avaliar o ciclo de vida de um empreendimento, foram desenvolvidos critérios a partir de três perspectivas principais: social, econômica e ambiental. No primeiro âmbito, são considerados critérios de segurança e o bem-estar humano. No segundo, custos, velocidade e qualidade da construção. No terceiro, pegada ecológica, consumo energético e emissões nocivas.