Edição 275Dezembro 2017
Segunda, 18 De Dezembro De 2017
Editorias

Publicado em 21/09/2016 - 10:44 am em | 0 comentários

Reprodução

IX Pianc-Copedec debate adequação do setor portuário às mudanças climáticas

Mudanças no clima exigem projetos de prevenção

IX Pianc-Copedec debate adequação do setor portuário às mudanças climáticas

A Ramboll Environ, consultoria multinacional em engenharia e projetos multidisciplinares, participa de 16 a 21 de outubro, no Rio de Janeiro, da IX Pianc-Copedec 2016 Conferência Internacional de Engenharia Costeira e Portuária em Países em Desenvolvimento com palestra sobre os projetos de prevenção e adaptação dos portos às mudanças climáticas. A exposição será feita pelo especialista em gestão de portos, Doug Daugherty, diretor sênior da Ramboll e representante dos EUA na Pianc.

Daugherty abordará o tema “Mudanças climáticas previstas para o setor de navegação e a necessidade de planejamento de ações para adaptação e mitigação”, com exemplos reais dos portos de Manila e do Gabão, cujo planejamento foi realizado pela Ramboll.

“Os riscos causados pelas alterações climáticas poderão tornar o comércio global e a operação dos portos marítimos e fluviais altamente vulneráveis no futuro. Esta ameaça tem levado um número crescente de autoridades portuárias a avaliar procedimentos para reduzir os impactos financeiros, operacionais e estratégicos, a partir de um planejamento preventivo”, afirma Daugherty.

Eugenio Singer, diretor geral da Ramboll Environ Brasil, explica que a empresa apresentará um quadro de avaliação usado para identificar vulnerabilidades e priorizar respostas referentes ao custo-benefício do planejamento ambiental para portos marítimos e fluviais. Esta avaliação é estruturada em estimativas históricas, por exemplo, de medições de marés, tempestades e precipitações, a partir das quais foram feitas projeções sobre o aumento do nível do mar, frequência e magnitude de tempestades e mudança nos padrões de chuva, entre outros pontos. Em outras palavras, a metodologia da Ramboll contempla dados que possibilitam uma análise mais detalhada e precisa de potenciais impactos relacionados com o clima em instalações portuárias.

“Um dos maiores riscos apontados pelas análises da Ramboll é a possibilidade de elevações do nível do mar e de mudanças nas precipitações, o que pode afetar as operações portuárias interiores, devido às alterações de nível dos rios”, destaca Singer.

Estas mudanças, projetadas no nível do mar ou dos rios, são confrontadas com informações-chave sobre a infraestrutura existente, a fim de identificar as vulnerabilidades e os riscos. A partir daí, os dados são avaliados por meio de uma abordagem Net Ecosystem Services Analysis (NESA), que quantifica os custos e analisa os benefícios de uso da terra e de diferentes tipos de infraestrutura para tomada de decisão, visando solucionar o conjunto de problemas sociais, econômicos e ambientais.

“É um tema muito importante para o Brasil, que já poderia ter hoje uma infraestrutura portuária mais ampla e melhor estruturada, cuidando de maneira mais atenta das questões relativas à sustentabilidade. Por isso, com a nossa expertise no tema, queremos participar de projetos para aperfeiçoar as operações portuárias, gerir melhor os seus ativos e implementar planos que assegurem a preservação de ecossistemas ambientais importantes, assim como desenvolver ações para melhorar as relações com as comunidades vizinhas”, reforça o diretor geral da Ramboll Brasil.

A palestra Daugherty será realizada entre os dias 18 e 21 de outubro. Outro especialista da David Moore ministrará mini curso a respeito de “Aspectos Ambientais da Dragagem de Sedimentos”, em 17 de outubro, das 9 as 17 horas, no Hotel Royal Tulip, na Avenida Aquarela do Brasil, 75, em São Conrado, onde acontece o evento.

Promovido pelo Pianc (Associação Mundial de Infraestrutura de Transportes Marítimos), o fórum conta com a presença de profissionais e especialistas em planejamento e operação de portos de todo o mundo, com o objetivo de oferecer avaliações especializadas sobre questões técnicas, econômicas e ambientais relativas à infraestrutura.

Os temas a serem discutidos no IX Pianc-Copedec 2016 são: Engenharia Portuária; Planejamento e Gestão Portuária; Navegação Interior (fluvial); Transporte Marítimo de Cabotagem e Navegação Costeira; Engenharia Costeira; Gestão de Risco Costeiro e da Zona Costeira. Outros temas relevantes como Mudanças Climáticas e Questões Ambientais Portuárias e Costeiras; Logística Portuária e de Transporte Hidroviário e Transporte Multimodal; e Interligação entre bacias hidrográficas, também serão tratados.

A Ramboll é uma multinacional de consultoria, engenharia e design, com atividade multidisciplinar, que conta com 300 escritórios, instalados em mais de 35 países em todos continentes. Atua nos mercados de Água, Energia, Petróleo & Gás, Transportes, Planejamento Urbano, Arquitetura e Construções e Gestão de Negócios. Em conjunto com a Environ atua ainda em Meio Ambiente, Saúde e Segurança.

A Ramboll conta com mais de 12.800 colaboradores, entre engenheiros, designers e consultores, comprometidos com a criação de soluções sustentáveis e de longo prazo para os seus clientes e a sociedade. Recentemente, a empresa foi classificada entre as três principais empresas de “serviços ambientais” segundo pesquisa global do instituto independente de pesquisa Verdantix.